sábado, 30 de novembro de 2013

A ORIGEM DO PODER EM NÓS
Assim que ficou adulto, Sansão foi desobedecendo seu voto de nazireu, de dedicação completa a Jeová, mas continuou acreditando que o segredo da sua força estava no seu cabelo. Disse ele a Dalila: “… Se cortarem o meu cabelo, perderei a força e ficarei tão fraco como qualquer outro homem” (Juízes 16:17).
Se a credulidade de Sansão fosse certa, todos os israelitas nazireus, de cabelo comprido, teriam força descomunal. Quando queremos aceitar uma superstição, não há argumento lógico capaz de nos impedir. Afinal de contas, não cortar o cabelo é muito mais fácil do que viver em obediência e comunhão com o Senhor…
Ainda que mal comparando, todos os cristãos são nazireus, porque somente pode ser cristão aquele que “morre para o mundo” e passa a “viver para Deus”. Existem, porém, entre nós uma variedade de superstições e crendices. Uma delas se chama “pagar o dízimo” – a superstição relativa do dízimo afirma que o dizimista fiel nunca ficará desempregado ou sem dinheiro. Uma outra superstição é conhecida como “oração forte”: ela teria tanto poder que, ao ouvi-la, o Senhor fica obrigado a responder.
O poder do cristão não reside na pessoa dele ou em qualquer outro tipo de coisa que ele tenha ou que faça: “não pela força ou pela violência, mas pelo Meu Espírito, diz o Senhor”. Viver pela fé, então, é viver pelo espírito. A origem do poder em nós não está em nós, mas no Cristo que habita em nós.
(DEVOCIONAL AMOR EM CRISTO)

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

FIO DA MEADA
“O Senhor é a minha força e o meu escudo;
Nele o meu coração confia, e Dele recebo ajuda.
Meu coração exulta de alegria,
e com o meu cântico lhe darei graças.”
Salmos 28:7
Fico deslumbrada com a criatividade de DEUS. Quanto mais vivo, mais encantada me sinto com as “saídas” que ELE nos presenteia. Com as estratégias que usa para nos ensinar sobre SEU amor, e fortalecer nossa confiança NELE.
DEUS está sempre nos mostrando SUA capacidade de se envolver com nossa vida e SUA comoção com nossas dificuldades. SEU zelo por nós é tão evidente! O que mais me encanta é que SUAS respostas são quase sempre imprevisíveis. SUA originalidade é espantosa, adoro isso em DEUS!
Dia desse fui pega de surpresa mais uma vez por essa capacidade divina, foi em um evento comum, mas o fato me fez aprender mais da misericórdia do SENHOR.
Estávamos, eu e minha irmã, presas num engarrafamento monstruoso, um verdadeiro nó cego no trânsito, não víamos saída daquilo, parecia que passaríamos o resto do dia presas naquele emaranhado absurdo de carros, caminhões, ônibus e motos. Então, fiz uma oração rápida e silenciosa, só ELE ouviu. Disse simplesmente -”SENHOR, nos tira dessa situação!”; Não foi uma oração automática, foi “consciente”, foi uma escolha, preferi orar a maldizer aquele momento. Em vez de reclamar, optei orar.
Foi um momento de superação, pois odeio, com todas as minhas forças, engarrafamentos e filas. Normalmente fico irritada e não paro de reclamar do caos da cidade, da inconveniência de morar numa metrópole, da incompetência das autoridades diante dos problemas urbanos, etc…etc…etc. Mas, naquela hora, pensei – não vou reclamar, vou orar, é a minha melhor opção. E foi mesmo! Não somente porque DEUS nos tirou do engarrafamento, me fazendo experimentar mais uma vez SUA dedicação fiel, mas, principalmente, por ter sido confrontada outra vez com essa lição – orar é sempre a melhor opção.
Não sei se ELE teria nos arrancado daquele “novelo sem fio da meada” se não tivesse orado, talvez sim…talvez não. Mas, o importante foi aprender que não vale a pena perder tempo com futilidades – reclamar, maldizer, espernear….Nada disso resolve coisa alguma, só nos adoece. A saída é correr imediatamente para QUEM constrói as saídas.
JESUS usou aquela situação tão banal para me mostrar novamente que ELE pode tudo, porém SUA solução pode vir de diversas formas, seja qual for, é a melhor para nós naquele momento específico. O importante é chama-LO, essa deve ser nossa primeira atitude no meio dos engarrafamentos da vida, entregar a situação a ELE, em lugar de nos afobarmos.
SUA resposta naquele dia trouxe-me outro aprendizado, pude usá-la como uma bela metáfora. ELE não destravou o tráfego para que saíssemos de lá, ELE nos mostrou um caminho paralelo no qual entramos depois de descermos um barranco com certa dificuldade, percorremos uma via bastante empoeirada, entramos em ruas enlameadas, seguimos por um labirinto de becos e ruelas nada amistosas, perdemos o referencial de onde estávamos até que encontramos a avenida que, finalmente, nos levaria para casa. Demorou, mas chegamos ao nosso destino.
Não é exatamente assim que ocorre? Muitas vezes mergulhados em um problema, oramos, DEUS age e nos tira da situação, mas, para nosso espanto, nos vemos em uma outra situação conflituosa, problemática, ficamos desorientados, mas se continuarmos confiando na SUA ajuda, ELE traz a solução.
O segredo é sempre confiar na ajuda de JESUS, sempre deixá-LO no comando, e não resmungar quando as coisas ficam complicadas… e mais complicadas. Quando a confusão é grande, o certo é orar, ficar atentos às SUA condução, obedecer SUAS orientações e relaxar na certeza que sairemos dos “engarrafamentos” e chegaremos em casa, em paz.
(Neuma Fernandes)

domingo, 17 de novembro de 2013

MOVENDO MONTANHAS

“Porque em verdade vos afirmo que, se alguém disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar no seu coração, mas crer que se fará o que diz, assim será com ele” Marcos 11:23
Muitos se recusam a confiar nesta ousada promessa de Jesus. Alguns dizem que Deus já não responde a orações nesta maneira, mas o texto não indica que essas promessas fossem limitadas à época em que a frase foi afirmada. Outros dizem que isto aconteceria se tivéssemos bastante fé, mas que dificilmente alguém conseguiria conjurar tanta fé. Este ponto de vista contradiz o texto: primeiro, Jesus ressaltou, em Mateus 17, que uma pequena quantidade de fé (do tamanho de um grão de mostarda) poderia conseguir; e segundo, esta perspectiva tira a ênfase do poder do Senhor para responder, e a focaliza no poder de crer da própria pessoa. Se não vemos esta promessa como atingível, perdemos o importante auxílio do Senhor.
Jesus não está se referindo a montanhas literais, mas a obstáculos maiores e mais poderosos. As montanhas são usadas simbolicamente na Bíblia para descrever forças poderosas (Isaías 2:2), tarefas enormes (Zacarias 4:7), e barreiras impenetráveis (Isaías 41:14-16; Zacarias 14:4). O texto clássico sobre a remoção da montanha se refere à obra de João Batista, reestruturando radicalmente as vidas das pessoas para preparar para a vinda de Cristo: “Todo vale será aterrado, e nivelados, todos os montes e outeiros; o que é tortuoso será retificado, e os lugares escabrosos, aplanados” (Isaías 40:4). As mudanças na paisagem, que João efetuou por sua pregação, foram muito mais fundamentais do que um equipamento para mover terra poderia cumprir.
Deus remove montanhas quando seu povo pede com fé. Ele pode remover as barreiras que inibem nosso crescimento espiritual e que retardam a expansão de sua palavra. Jamais nos sintamos limitados pelo que nossa débil força própria pode fazer; pois é Ele quem pode mover as montanhas que estão impedindo seu milagre se concretizar.
(Gary Fisher, em “O CRISTO TRIUNFANTE”)

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

UM PASSO A MAIS

O que me dá esperança é que JESUS operava com qualquer vestígio de fé que uma pessoa pudesse juntar. Afinal, ELE respeitava a fé de qualquer um que pedisse, desde o centurião ousado e o incrédulo Tomé até o pai desesperado que clamou: “Creio, ajuda-me a minha incredulidade!”
Observando o amplo espectro de fé apresentado na Bíblia, imagino se as pessoas se encaixam naturalmente nos diversos tipos de fé da mesma forma que se encaixam em tipos de personalidade. E, assim como costumo pesar minhas decisões, considerando todas as possibilidades, também experimento a maldição da síndrome do “mas” sempre que leio uma promessa gloriosa na Bíblia. Costumava me sentir culpado por causa da minha falta de fé e ainda anseio por mais, mas, a cada dia sinto menos culpa pela fé tímida que tenho. Nem todo mundo é melancólico, extrovertido ou acanhado; por que achar que teríamos o mesmo tipo de fé?
Aquele pai disse: “SENHOR, eu creio. Ajuda a minha incredulidade.” É a oração mais natural, humana e aflita do Evangelho, e creio ser a base da oração de fé. A dúvida sempre anda com a fé, afinal, na certeza, quem precisa de fé? Descobri que o oposto da fé não é a dúvida, mas, o medo. Sem um elemento de risco, não há fé. Ter fé é Pôr-se à caminho sem visão clara do próximo passo. É prosseguir, confiar, agarrar-se à mão de um guia invisível. A fé é um passo que sempre está além do alcance da luz.
(Philip Yancey, em “DECEPCIONADO COM DEUS”)

sábado, 9 de novembro de 2013

PULE!
As coisas que o Senhor deseja realizar em sua vida não podem ser feitas sem fégumas vezes. Você precisa acreditar somente Nele, independente de qualquer coisa. Ele testará sua fé para te fortalecer. Algumas vezes o Senhor te levará à beira do penhasco e dirá: Pule! Você fará conforme Ele manda, confiando apenas em Sua palavra para seguir em frente e entregando as consequências em Suas Mãos? Ou dará meia volta e pedirá: “Mostre-me primeiro um sinal, Senhor!”?
Deus quer saber se você confia Nele o suficiente para pular. Além disso, quer que você saiba que crê o bastante para saltar. A fé é boa para nós, ela nos dá a direção certa na vida, ela nos coloca em intimidade com Aquele Único que pode saciar nossa alma e fartar nosso coração. Talvez Ele o deixe cair em queda livre em direção ao chão antes de segurá-lo, mas Ele irá segurá-lo. E depois dirá: “Bom para você! Eu sabia que conseguiria!”
A fé é a moeda do Reino de Deus. Use-a generosamente, e as portas serão abertas para você. Creia em Jesus, apenas Nele, deposite TODA sua fé unicamente NELE, e tudo te será possível.
(Myles Munroe, em “RE-DESCOBRINDO A FÉ”)

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

CONQUISTANDO AS BENÇÃOS
Em Josué 1:3, O SENHOR disse a Josué: “Todo lugar que pisar a planta do vosso pé, vo-lo tenho dado, como EU prometi a Moisés”. DEUS não está dizendo a Israel que todo lugar em que eles caminhassem ou andassem seria deles. ELE já havia delimitado o perímetro da herança. ELE estava dizendo simbolicamente: “Todo lugar em que vocês quiserem conquistar, eu os darei a vocês”.
Assim, DEUS estava dando ou eles estavam tomando? Sim! E apenas para provar isso, lembre-se de que a geração anterior, sob a liderança de Moisés, teve medo e não pode “carregar suas armas e lutar” e DEUS não a deu a eles.
Não pense nem por um instante que é diferente hoje. Essas coisas aconteceram a Israel como tipo ou sombra para nós. Nós também devemos tomar “as armas com as quais lutamos” (2Co 10:4) e conquistar. Isso é intercessão, isto é poder em nós. Isto é fazer valer as bençãos de DEUS em nossas vidas.
(Dutch Sheets, em “ORAÇÃO INTERCESSÓRIA – COMO DEUS PODE USAR SEUS INTERCESSORES PARA MOVER CÉU E TERRA)

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

ALÉM DA IMAGINAÇÃO

Aqueles que viram Jesus – realmente o viram – reconheceram que havia algo diferente. Com o seu toque os cegos pedintes enxergaram. Com o seu comando as pernas aleijadas andaram. Com o seu abraço as vidas vazias encheram-se de planos.
Ele alimentou milhares com um cesto. Ele acalmou uma tempestade com uma ordem. Ele ressuscitou os mortos com uma declaração. Ele mudou vidas com um pedido. Ele redirecionou a história do mundo com uma vida, viveu em um país, nasceu em uma manjedoura, e morreu em um monte…
Deus fez o que nós não ousaríamos sonhar. Ele fez o que nós não poderíamos imaginar. Ele tornou-se homem para que pudéssemos confiar nele. Ele tornou-se sacrifício para que pudéssemos conhecê-lo. E ele venceu a morte para que pudéssemos segui-lo.
Isso desafia a lógica. Isso é uma insanidade divina. Uma incredibilidade santa.
Somente um Criador além dos muros da lógica poderia oferecer tal presente de amor.
É esse Deus que servimos, o DEUS de toda criação, um Deus desejoso que ousemos sonhar muito além da imaginação, porque Ele é capaz de realizar cada sonho que Ele sonha em nós.
(Max Lucado, em “O APLAUSO DO CÉU”)