domingo, 30 de dezembro de 2012


150966601
 SÓ QUERO VER COMO DEUS VAI RESOLVER!
“Aí o SENHOR disse a Gideão: Com estes trezentos homens que lamberam a água, eu libertarei vocês e lhes darei a vitória sobre os midianitas. Diga aos outros que voltem para casa.” Juízes 7:7
Um querido irmão na fé, idoso e calejado na sua caminhada como homem de Deus, costumava dizer nas horas difíceis: “Eu não tenho saída. Só quero ver como Deus vai resolver esta situação!”. Gideão, ao descer a encosta com seus trezentos soldados, também não sabia como seria a batalha . Ele recebeu sinais muito claros de Deus para enfrentar, com o exército reduzido, o inimigo.
O plano estava bem montado e em execução, o coração de todos palpitava forte. Havia adrenalina abundante correndo em suas veias, contudo o silêncio era absoluto. E, quando todos estão posicionados, irrompe o grito – “À espada, pelo SENHOR e por Gideão!”. As trombetas de chifres de carneiro ressoaram e as tochas acesas são levantadas: o acampamento inimigo ficou cercado.
O resultado nós conhecemos, os israelitas venceram a batalha. Mas, o que foi mesmo que eles fizeram? Praticamente nada! Ficaram no seu lugar, sapateando e fazendo muito barulho. Do alto puderam “ver como Deus resolveu a situação”.
Eu não sei que situação você enfrenta. De mim mesmo sei que muitas situações nos afligem permanentemente nos fazendo mergulhar no pessimismo, no desânimo, na desesperança e na incredulidade. Diante de mim tenho, num mural, um pequeno cartaz feito por minha filha. Nele está escrito: “Jesus Cristo + eu = Maioria Absoluta”. Quem sabe deveria fazer um cartaz igual para o seu quarto, seu ambiente de trabalho ou sua cozinha! É sempre bom lembrar que nunca estamos sozinhos, Aquele que está conosco – Jesus, é vencedor nato, e Ele fará vencedor cada um daqueles que O chamarem para dentro de suas lutas.
Invoque Jesus para te ajudar, coloque teus anseios nas mãos Dele e permaneça, despreocupadamente, como aquele ancião sábio, aguardando para ver como Deus solucionará o teu problema  ou realizará o teu milagre. Garanto que Ele é bem CRIATIVO, Ele vai te surpreender!
(Devocional Orando em Família)

sábado, 29 de dezembro de 2012


 
VENCEDORES
“Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou.” Rm 8.37
Se a Palavra de Deus nos dissesse simplesmente que somos vencedores, isso já teria sido suficiente, mas ela nos diz que somos mais que vencedores por meio de Jesus Cristo.
Em vez de dizer: “Estou derrotado”, levante-se e fale aquilo que a Bíblia diz a seu respeito: “Sou vencedor!”
Talvez não lhe pareça que você é vencedor, mas sua confissão, de acordo com a Palavra de Deus, criará essa realidade na sua vida.
Mais cedo ou mais tarde, você se tornará aquilo que confessar!
Você não terá medo de circunstância alguma, se fizer a confissão certa.
Você não terá medo de doença alguma, se fizer a confissão certa.
Você não terá medo de quaisquer condições, se fizer a confissão certa.
Você não terá receio algum da espera se fizer a confissão certa.
Você enfrentará a vida, destemidamente, como vencedor!
O que a Bíblia AFIRMA que você é?
“MAIS QUE VENCEDOR”.
Faça-se um favor – não esqueça isso.
(Kenneth Hagin, em “ALIMENTO DA FÉ”)

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

116782014 
 TRAZENDO À EXISTÊNCIA
“Deus chama à existência as cousas que não existem” (Rm 4.17.)
Qual o significado disso? Abraão ousou crer em Deus. Parecia impossível, em sua idade, que ele se tornasse pai. Contudo, Deus o chamou de “pai de muitas nações”, antes que houvesse sequer sinal de um único filho. Então, Abraão chamou-se de “pai” porque Deus o chamara assim. Isto é fé. Fé é crer em Deus, e reafirmar o que Ele disse. A fé pisa num vazio aparente e encontra uma rocha embaixo. Somente podemos afirmar que é nossa, uma coisa que Deus já declarou ser nossa, e Ele tornará realidade tudo em que cremos. Falamos de fé real: tudo o que há em nós deve ser colocado nesta confiança em Deus.
Esteja disposto a viver crendo, e não pense, nem deseje, viver de outra forma. Abra mão de qualquer orientação externa que o direciona para a descrença e o viver cético. A lâmpada clara e brilhante que a fé acende nos conduz para os caminhos da vitória.
Chegou o momento de descermos do nosso poleiro de desconfiança, e sairmos do nosso ninho de segurança aparente e abrirmos as asas da fé; um momento como o das aves, quando têm que começar a voar. Pode parecer que vamos cair ao solo —a avezinha. Ela pode sentir que vai cair, mas não cai: suas pequeninas asas a sustem; e, se falham, o pai ou a mãe a amparam com seu corpo. Da mesma forma Deus nos susterá. Apenas confiemos Nele: seremos amparados e elevados nos ares. “Certo”, diz alguém; “mas então devo lançar-me ao vazio?” Ao que parece é isto que o pássaro tem a fazer. Mas nós sabemos que o ar está ali, e ele não é tão insubstancial como parece.
Nós sabemos que as promessas de Deus estão aí, e elas não são insubstanciais. “Mas parece tão improvável que a minha alma, tão fraca, possa vir a ser guarnecida de tal força.” Deus não disse que será? “Parece improvável que minha natureza, sujeita a tentação e queda, possa ser vitoriosa na luta.” Ele não disse que será? “Que o meu coração temeroso possa encontrar paz.” Deus não disse que encontrará? Pois se Ele disse, você não pode dizer que Ele é mentiroso! Será que Ele diria algo que não cumpriria? Se você receber uma promessa — uma promessa definida — aceite-a cegamente e confie nela inteiramente. E nós já recebemos uma promessa assim. E mais — temos Aquele que fala a palavra com segurança: “Em verdade vos digo.” Confie Nele.
(J. B. Figgis, em “CRISTO E A SALVAÇÃO”)

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012


PROBLEMAS E OPORTUNIDADES
“Acaso viste os tesouros da saraiva, que eu retenho até ao tempo da angústia?”  Jó 38:22-23.
Nossos maiores problemas são grandes oportunidades. Nós, erroneamente, as vemos como obstáculos á nossa paz e bem-estar. Mas se cada um de nós passasse a reconhecer as situações difíceis como maneiras escolhidas por Deus para nos mostrar o Seu amor, e passássemos a procurar ao nosso redor os sinais das Suas manifestações gloriosas, isto nos seria um porto de descanso e uma fonte de poderosa inspiração. Então, a escuridão se transformaria em arco-íris, e cada montanha numa ascensão gloriosa, e num palco de transfiguração.
Olhando para o passado, muitos de nós descobre que as ocasiões em que fomos pressionados ao máximo, e cercados por todos os lados, foram ocasiões em que o Pai  nos deu as bênçãos mais graciosas e mais ricas. Muitas vezes as joias de Deus nos são enviadas em pacotes grosseiros, e entregues por servos de roupagem escura.
Confie em Deus, confie mesmo! Em meio à confusão; honre-O com uma confiança sem vacilações, a recompensa dessa fé será como a muda das águias que, segundo dizem, lhes dá um novo período de juventude e vigor.
Deus é bom!
(George Matheson, em “PENSAMENTOS PARA A JORNADA”)

terça-feira, 25 de dezembro de 2012


 FELIZ NATAL!
Natal. Mais um natal. As cidades fervilham, trânsito alterado, comércio tumultuado, pessoas alvoroçadas, é preciso comprar aquele presente…apressar o menu da ceia…dá os retoques no visual…passar mensagens de congratulações aos amigos…ligar para os mais íntimos…
É Natal. Para muitos, dia de festa, dia mágico, dia de alegria. Para outros é dia de tristeza, melancolia, saudades. É Natal, dezembro passou apressado, o ano passou acelerado, já é novamente Natal.
Mas, o mais importante não são os presentes, a confraternização; nem as frustrações, abatimentos e consternações. O mais importante é o aniversariante e a razão da Sua vinda até nós.
Deus se fez homem e veio “conviver” conosco, veio por Sua Graça revelar-se a nós, veio ser tocado, visto, escutado. Veio se mostrar para nos atrair, nos convidar a um novo relacionamento, uma nova aliança firmada no amor, e não no medo; na confiança, e não na opressão. Deus se fez homem em Cristo para que, ao reconhecermos com Senhor, Ele se faz nosso Salvador, único e suficiente.
Nada mais é preciso para receber perdão, para ganhar vida eterna. Deus veio ao mundo, isso nos garante o céu. Deus encarnou-se, “humanizou-se” por amor a cada ser humano. Cristo veio ao mundo para que espreguicemos na rede da Graça; se reconhecemos Sua missão salvadora, podemos relaxar, não há mais nada a pagar, estamos perdoados, aceitos e restaurados.
Isso é o ápice da verdadeira e substanciosa alegria, o clímax da vida. Que essa verdade contamine os corações nessa noite encantada.  Essa mensagem faz com que o natal se multiplique nos demais dias do ano – DEUS veio ao mundo por AMOR a mim (repita isso!). Repita para que ecoe em você cânticos de regozijo. Repita para que haja paz, perdão, gratidão, confraternização, acolhimento, partilha. Repita para que a dor pelas perdas e ausências, seja transformada em esperança. E que, acima de tudo, a intimidade e comunhão com o aniversariante seja real, palpável e imaculada. Isso, sim, é NATAL!
FELIZ NATAL!
10041967(Neuma Fernandes)

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

"Glória a Deus nas alturas, e paz na terra aos homens aos quais ele concede o seu favor".
 Lc 2.14
O maior presente
Um exército celestial  veio à terra, anunciar com louvores a bondade de Deus que estava sendo revelada, através do nascimento de seu Filho Jesus.
Algumas traduções dizem que os anjos cantaram, assim :
"Paz na terra aos homens aos quais ele tem boa vontade." Sim, o maior presente que você já recebeu, num ato repleto de amor e bondade, foi Jesus.
Já pensou nisso ? Deus nos cerca por todos os lados com sua bondade. E sabe por que ? Porque não teríamos vitória em nossa vida, se Jesus não tivesse vindo. Ele veio ao mundo, nasceu, viveu e morreu.
Mas ressuscitou em glória em glória para que fôssemos novas criaturas, como somos hoje. Uma nova criatura vitoriosa nEle!
Alegre-se e agradeça a Deus pela bondade dele em sua vida.
Apenas porque Ele é bom,você pode ser mais que vencedor.
(Altomir Cunha)

domingo, 23 de dezembro de 2012


MAIS DO QUE IMAGINAMOS
“Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós, a ele seja a glória na igreja e em Cristo Jesus, por todas as gerações, para todo o sempre! Amém!” Efésios 3:20-21
Temos muito mais poder do que pensamos. Esse incrível poder está trabalhando dentro de nós (veja Efésios 1:18-19). Esta promessa de poder, porém, liga-se às duas oportunidades que Deus nos dá diariamente.
Primeiro, pedir ativamente que Deus faça grandes coisas em nós. Segundo, em  viver para trazer glória a Deus. Então, vamos pedir, imaginar/sonhar e dar a toda glória devida a Deus; depois, vamos louvá-lo por fazer coisas muito maiores do que pedimos ou até imaginamos!
Que o Pai nos  perdoe por nossos sonhos pequenos, nossas orações egoístas e nossos alvos de curto prazo. Que Ele desperte no nosso coração a sua vontade e abra nossos olhos para os Seus planos pelo poder do seu Espírito Santo agindo em nós. Que tudo isso se faça para Sua glória e louvor. No nome de Jesus. Amém.
(Portal Iluminalma)

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012


MANUAL DO BEM VIVER
Deus normalmente não nos dá métodos específicos para resolvermos os problemas. Em vez disso, Ele nos deu princípios e orientações para que possamos tomar decisões; nos deu também diretrizes e exortações. Os dez mandamentos são bem claros. Assim como os seguintes conselhos do Novo Testamento:
- “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?” 2Co 6:14
- “Por isso deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo.” Ef 4:25
- “Irai-vos, e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira. Não deis lugar ao diabo.” Ef 4:26-27
- “Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação.” Ef 4:28
- “Lembrem disto, meus queridos irmãos: cada um esteja pronto para ouvir, mas demore para falar e ficar com raiva.” Tg 1:19
- “Meus irmãos, tomai por exemplo de paciência os profetas que falaram em nome do Senhor” Tg 5:10
- “Sede submissos a Deus. Resisti ao demônio, e ele fugirá para longe de vós.” Tg 4:7
- “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido.” Gl 6:9
- “Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o aguardamos.” Rm 8:25
- “Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação; que vos abstenhais da promiscuidade” 1Ts 4:3
Essas diretrizes são diretas e objetivas. Violá-las é o mesmo que desobedecer a vontade de Deus. Esses são direcionamentos que Deus espera que usemos hoje para tomar decisões, e determinar nossas posturas, em meio as nossas situações difíceis.
Se não levarmos em consideração estes conselhos geraremos problemas para nós mesmos. É por isso que devemos sempre consultar a Palavra de Deus para determinar a vontade de Deus. Assim conseguiremos evitar muitos transtornos. Conseguiremos, igualmente, resolver muitos dos problemas que tomamos para nós porque agimos sem levar em consideração as leis do Senhor.
(Gene Getz, em “ABRAÃO – UM MODELO DE OBEDIÊNCIA E FÉ”)

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012



 TERRA REMOVIDA, COLHEITA ABUNDANTE
“Porventura lavra todo dia o lavrador, para semear?” Is 28:24
Certo dia, no começo do verão, eu ia passando por uma linda campina. A relva aveludada parecia um imenso tapete oriental. Em um canto, erguia-se uma bela árvore, já velha, abrigo de inúmeros pássaros que enchiam de gorgeios o ar leve e revigorante. À sombra da ramagem, duas vacas repousavam, imagem de sossego e contentamento. Ao longo da estrada misturavam-se o roxo e o dourado das violetas silvestres e dentes-de-leão
Parei, e fiquei ali por longo tempo, encostado à cerca, deixando que meus olhos famintos se banqueteassem. Pensei comigo mesmo que Deus jamais havia feito um lugar tão aprasível. No dia seguinte passei por lá outra vez. Ah! a mão demolidora já havia estado ali. Lá estava um arado, cravado ainda no sulco. Em um dia um homem fizera no local uma terrível devastação. Em vez da relva verde, estava à mostra a terra escura, feia e nua; em vez de pássaros cantando, algumas galinhas ciscavam. E nem violetas, nem dentes-de-leão. E com pesar, pensei: “Como poderia alguém estragar uma coisa tão linda?!” Então meus olhos foram abertos como por mão invisível e tive uma visão: vi um milharal, com as espigas maduras, prontas para a colheita. Via os longos pés de milho, todos carregados, iluminados pelo sol do outono. Quase me parecia ouvir a música do vento ao passar, agitando os cabelos das espigas. E de repente, a terra escura revestiu-se, para mim, de um esplendor que não possuía na véspera.
Possamos nós sempre ter a visão da abundante colheita que se segue, quando o Grande Agricultor vem — como faz tantas vezes — e sulca as nossas almas, deixando diante de nosso olhar torturado só o vazio sem beleza. Por que me retrair ante o arado do meu Senhor, que faz sulcos profundos em minha alma? Eu sei que Ele não é um agricultor inconsequente. Ele tem em vista uma boa colheita.
(Samuel Rutherford, em “CRISTO ACIMA DE TUDO”)

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

ENQUANTO A FIGUEIRA NÃO FLORESCE
“Os apóstolos disseram ao Senhor: “Aumenta a nossa fé!”
 Ele respondeu: “Se vocês tiverem fé do tamanho de uma semente de mostarda, poderão dizer a esta amoreira: ‘Arranque-se e plante-se no mar’, e ela lhes obedecerá.”
Lucas 17:5-6

Como é que se chega à “convicção de fatos que se não vêem”, como diz o autor da carta aos Hebreus? Certamente não é vendo aqueles fatos, e muito menos andando debaixo de chuva de bênçãos. Também não é recebendo o que se espera a tempo e a hora.
É enfrentando provações e desafios, perdas e sofrimento, encarando motivos e mais motivos para duvidar e desistir. É vivendo tudo isso com uma única prova para segurar – as promessas feitas pelo carpinteiro de Nazaré.

O ponto central da fala de Jesus não é que seus discípulos deviam se tornar provedores de grandes prodígios. E pelo que sabemos sobre os dias deles aqui na terra, eles sofreram uma porção considerável de perdas e sofrimento. Não é a fé, em si mesma, que move a planta ou a montanha.
 É o poder de Deus.
Em não vendo a planta movendo, a fé fala, proclama, profetiza. A fé, no Deus de todo poder, diante das provações diz “Mesmo não florescendo a figueira, e não havendo uvas nas videiras … ainda assim eu exultarei no SENHOR e me alegrarei no Deus da minha salvação.” (Hab 3:17-18). A fé diz “a graça dEle me basta”. A fé diz, mesmo em cadeias, “tudo posso naquele que me fortalece”. Para aqueles que acreditam em Jesus, a fé há de fortalecer, não para quebrar ou soltar cadeias, mas, para agüentar o quanto for necessário até que a vontade de Deus seja realizada em nós e por meio de nós. Esta é a fé dos seguidores de Jesus. Que esta fé seja cada vez mais fortalecida em nós, no meio das dificuldades e dores.
(Portal Hermeneutica)

domingo, 16 de dezembro de 2012

103875577
CÉU DE BRONZE
“Chamei-o, e não me respondeu” Ct 5:6
Sabemos que quando Deus dá a alguém uma grande fé, Ele a prova por meio de longas esperas. Muitas vezes, Ele tem deixado servos Seus a ouvirem o eco da própria voz, como se ela estivesse batendo num céu de bronze. Eles batem na porta de ouro, mas ela permanece imóvel, como se estivesse emperrada. Como Jeremias, eles oram: De nuvens te encobriste para que não passe a nossa oração.
Assim, muitos cristãos têm continuado em longa e paciente espera, sem receber a resposta; não porque suas orações não sejam veementes ou não sejam aceitas, mas porque assim aprouve Àquele que é soberano e que concede sua graça conforme Lhe parece bem. Se Ele acha que convém exercitar a nossa paciência, Ele fará como quer.
Nenhuma oração é perdida. O fôlego despendido em oração nunca foi despendido em vão. Não existe oração não respondida ou não ouvida por Deus, e algumas coisas que consideramos como recusas ou negações são simplesmente demoras. Às vezes, Cristo demora a vir em nosso auxílio, a fim de provar a nossa fé e avivar as nossas orações. O barco pode estar coberto pelas ondas, e o Mestre, dormindo; mas Ele despertará antes que se afunde. Ele está dormindo no barco, mas nunca passa da hora; e com Ele não há “tarde demais”.
(Alexander MacLaren em “SERMÕES”)

sábado, 15 de dezembro de 2012


149256994 
UMA NOTA DE ESPERANÇA
As várias passagens bíblicas que reportam-se à aflição que os seres humanos sofrem, só demonstram o realismo da Bíblia em abordar a vida humana como ela realmente é, sem subterfúgios ou utopias.
Mas, ao mesmo tempo, há uma nota de esperança nas Escrituras sobre todo problema humano. Esta esperança repousa em Jesus Cristo e em Sua obra consumada na cruz. Aqui está o nosso consolo, ao qual bem fazemos em nos apegar quando, por uma ou outra razão, a depressão, o desânimo e a desesperança se abaterem sobre nós. Há um destaque grande nas Escrituras para a vida de fé que devemos viver nesse mundo, apesar de tantas coisas erradas em nós e em nossos semelhantes.
Façamos como o apóstolo Paulo, em sua oração a favor dos crentes em Roma: “Que o Deus da esperança vos encha de toda alegria e paz na vossa fé, para que transbordeis na esperança pelo poder do Espírito Santo” Rm 15:13
É possível viver neste mundo, apesar da realidade desconfortável e intrusa da depressão e de todo desgaste emocional, viver em alegria e em paz na nossa vida com Cristo. Podemos transbordar verdadeiramente em esperança unicamente pelo poder do Santo Espírito de Deus até o grande dia da vinda de Jesus, Aleluia!
(Portal Observatório Teológico)

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012


 A PALAVRA E A VIDA
A Palavra de Deus é diferente de qualquer outra palavra. Ela é viva! Jesus disse: “As palavras que Eu lhes disse são espírito e vida.” Quando Deus fala, as coisas mudam. Tudo ao seu redor – toda a Criação – existe porque disse Deus. Foi pelas Suas palavras que tudo veio a existir. Sem elas, você nem estaria vivo.
A Bíblia é muito mais que um manual de doutrinas.
A Palavra de Deus gera a vida, cria a fé, produz mudanças, afugenta o inimigo, realiza milagres, cura feridas, edifica o caráter, transforma as circunstâncias, transmite alegria, supera a adversidade, derrota a tentação, infunde esperança, libera poder, limpa nossas mentes, cria coisas boas e nos garante o futuro eterno! Não podemos viver sem a Palavra de Deus! NUNCA subestime o valor dela. Você deve considerá-la tão essencial para a sua vida quanto a comida. O salmista declarou: “Pelos teus mandamentos alcancei entendimento; por isso odeio todo falso caminho. Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho. Jurei, e o cumprirei, que guardarei os teus justos juízos.” Sl 119: 104-106
(Rick Warren, em “UMA VIDA COM PROPÓSITOS”)

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012


 A FÉ DESCANSA NA PALAVRA DE DEUS
“Confio na tua palavra”  Sl 119:42
A nossa fé será mais fraca ou mais forte, exatamente na proporção em que crermos que Deus fará o que disse. A fé nada tem a ver com sentimentos ou impressões, com improbabilidades ou com aparências externas.
Se desejarmos ligar as duas coisas — fé e sentimentos, fé e aparência — não estaremos descansando na Palavra de Deus, porque a fé não precisa de coisa alguma desse tipo. A fé descansa na Palavra de Deus. Quando cremos na Sua Palavra, o nosso coração descansa. Deus tem prazer em exercitar a nossa fé; porque é bênção para nós, depois porque é bênção para a Igreja, e também para os de fora.
Mas nós evitamos o exercício, em vez de o recebermos como um bem. Quando vêm as provas, deveríamos dizer: “Meu Pai Celestial põe nas minhas mãos este cálice de aflição, para que eu possa ter alguma coisa agradável depois.” As aflições alimentam a fé. Ah, deixemo-nos nas mãos do Pai Celestial! Seu coração tem prazer no bem de Seus filhos.
Mas as aflições e dificuldades não são os únicos meios pelos quais a fé é exercitada e aumentada. Há a leitura das Escrituras, através da qual podemos conhecer de perto a Deus, como Ele Se revelou na Sua palavra. Será que podemos dizer, pelo conhecimento que temos de Deus, que Ele é um Ser realmente desejável? Se não, instemos com Deus para que nos leve a isso, de modo que possamos admirar o Seu coração de amor e bondade, e sejamos capazes de dizer como Ele é bom e como tem prazer em fazer o bem a Seus filhos.
E quanto mais nos aproximamos desta realidade, mais prontos estamos a descansar em Suas mãos, satisfeitos com tudo o que Ele nos reserva. E quando vier a aflição, diremos: “Eu vou esperar para ver qual a bênção que Deus trará por meio dela, pois sei que Ele vai fazê-lo.” Assim daremos um testemunho digno diante do mundo e isso servirá para fortalecer a fé de outras pessoas.
(George Müller, em “O TRIUNFO DA FÉ NO SOBRENATURAL”)

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012


AGUARDANDO O TEMPO DEVIDO
“A visão ainda está para cumprir-se no tempo determinado… se tardar, espera-o, porque certamente virá, não tardará” Hc 2:3
Num livrinho muito interessante, um personagem é levado à casa do tesouro de Deus. Ali, entre as muitas maravilhas que lhe foram reveladas, estava o Departamento das Bênçãos em Reserva, onde Deus guardava certas coisas que lhe haviam sido pedidas em oração mas aguardavam seu tempo próprio.
Algumas pessoas levam algum tempo para aprender que demora não significa negação. Há muitos segredos de amor e sabedoria encerrados no Departamento das Bênçãos em Reserva! Os homens prefeririam colher os frutos da misericórdia quando ainda estão verdes, ao passo que Deus quer que esperem até que amadureçam. “Por isso o Senhor ESPERA, para ter misericórdia de vós” (Is 30:18). Ele está vigiando nossos momentos difíceis, e não permitirá uma só provação a mais do que a que podemos suportar;  primeiro Ele deixará que se queimem as escórias, depois virá gloriosamente em nosso auxílio.
Não O entristeça, duvidando do Seu amor. Erga a cabeça e comece a louvá-lO agora mesmo pela benção que está a caminho. Louve-O pela espera porque, certamente, se sua oração ainda não foi respondida é porque respostas antes do tempo deixam de ser benção. Você será largamente recompensado pela demora que testou sua fé.
(Samuel Rutherford, em “CRISTO ACIMA DE TUDO”)

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012


 NÃO SE ENGANE!
Não sugiro que devemos seguir apenas as circunstâncias no tocante a compreender a vontade de Deus em nossas vidas. Também devemos levar em consideração a paz e a sabedoria (não a do mundo, a de Deus, obviamente), que são as principais formas de ouvir a voz de Deus.
Seguir apenas as circunstâncias pode definitivamente nos levar a ter problemas. Satanás pode promover circunstâncias, assim como Deus, porque ele tem acesso a esta esfera natural. Portanto se seguirmos somente as circunstâncias sem levarmos em consideração as outras formas de ouvir Deus, isto pode nos levar ao engano.
Sabemos que não podemos ir contra a Palavra de Deus. Devemos ser guiados pela paz interior e andar em sabedoria. É fácil fazer uma “verificação interna” para testarmos o termômetro da paz em nosso coração., antes de confiarmos nas circunstâncias ou em nossas deduções carnais, ou em nossas emoções, para compreender o que o Senhor quer que façamos.
A maneira mais segura de ouvirmos Deus é combinar os métodos bíblicos e sermos guiados pelo Espírito Santo, permitindo que eles funcionem de uma forma de verificação entre si.
É fácil sermos enganados por nós mesmos, por nossas convicções carnais, por nossas vontades obstinadas. Deus diz na Sua Palavra: “Pois os Meus pensamentos não são os pensamentos de vocês, nem os seus caminhos são os Meus caminhos” Is 55:8. Devíamos agradecer a Deus porque os Seus caminhos não são os nossos. Minha vida teria acabado mal se Deus tivesse feito as coisas do meu jeito em muitas situações. É sábio orarmos: “Seja feita a Tua vontade, Senhor, e não a minha”. Muitas vezes digo ao Senhor o que eu gostaria de ter, mas completo a frase com; “No entanto,  se Tu sabes que isto não é bom para mim, por favor, não me dês.”
Os pensamentos de Deus estão acima dos nossos pensamentos. Ele vê o fim a partir do princípio. Todos os Seus caminhos são retos e seguros. Na esfera natural, podemos achar que alguma coisa faz sentido, mas pode não ser o que Deus quer, definitivamente. Você e eu podemos ouvir com precisão a voz de Deus; tudo que precisamos fazer é aplicar as diretrizes da Sua Palavra, e assim não seremos enganados.
(Joyce Meyer, em “COMO OUVIR A VOZ DE DEUS”)

domingo, 9 de dezembro de 2012


POUCA BAGAGEM
Todos os grandes heróis da fé andaram por terreno desconhecido em algum momento de suas vidas. É o caso de Noé, ele, certamente, deu cada passo estritamente de acordo com a revelação divina. Sabia que DEUS estava no controle de sua vida.
Esse é exatamente o tipo de  certeza que devemos ter. Temos de estar caminhando tão próximos do SENHOR que ouvimos SUA voz no meio de qualquer tumulto em nossa vida. Temos de confiar NELE de forma tão completa que O seguiremos onde quer que nos conduza. Temos que andar estritamente dentro da luz revelada que ELE nos deu, não correndo adiante dela, nem ficando para trás, e nem nos debatendo para tomar outra direção.
Quando viajamos pelo deserto, há grande possibilidade que DEUS não nos revele o destino final. ELE tem várias razões para agir assim. Se revelasse para onde estamos indo, não estaríamos caminhando pela fé. Em geral a magnitude daquilo que está a nossa frente está a cima da nossa capacidade de compreensão. Podemos comprometer os planos de DEUS por pensarmos muito pequeno, ou podemos atrasar todo o processo por causa da dúvida.
DEUS conduziu os israelitas através do deserto porque, se os levasse pela rota direita, eles teriam de enfrentar os filisteus.DEUS sabia que naquele momento os israelitas ainda estavam com muito medo e não conseguiriam confiar que ELE lutaria por eles.
Você e eu não precisamos ficar tanto tempo no deserto, pois, podemos dar uma resposta diferente. DEUS nos conduz para o deserto porque quer que aprendamos a caminhar pela fé, confiando NELE a cada passo. Reconhecemos que o deserto é o lugar onde DEUS nos chama para esquecermos nosso conforto e nos movemos em direção ao desconhecido a fim de que Ele possa nos guiar para onde precisamos ir.
Na travessia no seu deserto, eu sugiro que carregue pouca bagagem, leve a Palavra de DEUS, uma medida de paciência, uma veste de louvor, um pequeno tapete para aqueles momentos de oração fervorosa, e um vaso vazio para armazenar a água viva que DEUS derrama sobre você.
(Stormie Omartian, em “O PODER DA FÉ EM TEMPOS DIFÍCEIS”)

sábado, 8 de dezembro de 2012



 
 PODEROSA ALIANÇA
“Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de um melhor concerto, que está confirmado em melhores promessas”  Hb 8.6
Do começo ao fim do Antigo Testamento, encontramos homens que compreenderam seu lugar na Aliança e o assumiram. Josué conseguiu ordenar que o Rio Jordão se abrisse, e o tempo parasse. Elias conseguiu trazer fogo do céu para consumir não somente o sacrifício, como também o altar. Os homens poderosos de Davi estavam totalmente abrigados contra a morte em tempos de guerra, enquanto se lembravam da Aliança.
Quando lemos a respeito de tais homens de Deus, parece que estamos lendo a respeito de super-homens.Quase todas as orações, no Antigo Testamento, foram proferidas por homens da Aliança. Aquelas orações tinham de ser atendidas!
Os cristãos dos nossos dias têm os mesmos direitos que os crentes da antiga Aliança tinham. Na realidade, possuímos uma aliança superior com base em promessas superiores. Por isso, devemos fazer tudo quanto eles realizaram, e ainda mais porque possuímos uma Nova Aliança, uma aliança firmada em promessas mais grandiosas.
(Kenneth Hagin, em “ALIMENTO DA FÉ”)

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012



A LUVA DE DEUS
Aqui vai uma questão prática. Estude a Bíblia um pouco por vez. Deus parece enviar mensagens da mesma maneira que mandou o maná: uma porção diária por vez. Ele fornece “ordem sobre ordem, ordem sobre ordem, regra e mais regra; um pouco aqui, um pouco ali” (Is 28.10). Escolha profundidade em vez de quantidade. Leia até que um versículo atinja você; então pare e medite sobre ele. Copie o versículo numa folha de papel, ou escreva no seu diário, e reflita diversas vezes sobre ele.
Na manhã que escrevi isso, por exemplo, minha hora de meditação me levou a Mateus 18. Estava apenas no quarto versículo do capítulo quando li isto: “Portanto, quem se faz humilde como esta criança, este é o maior no Reino dos céus”. Eu precisava me aprofundar. Copiei as palavras em meu diário e ponderei sobre elas durante todo aquele dia. Em vários momentos perguntei a Deus: “Como posso ser mais parecido com uma criança?”. Ao final do dia, fui lembrado de minha tendência a me precipitar e de minha propensão a me preocupar.
Será que vou aprender o que Deus deseja? Se eu ouvir, aprenderei.nNão desanime se sua leitura gerar uma colheita pequena. Há dias em que uma porção menor é tudo de que precisamos.
É assim acontece com o estudo da Bíblia – o entendimento chega aos poucos, durante toda uma vida. Existe algum outro livro que tenha sido descrito desta maneira: “Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração” (Hb 4.12)?
“Viva e eficaz.” As palavras da Bíblia têm vida! Substantivos com pulsação. Adjetivos musculosos. Verbos que se movem para frente e para trás pela folha. Deus trabalha por meio dessas palavras. A Bíblia é para Deus o que a luva é para o cirurgião. Ele as usa para tocar fundo em você.
(MAX LUCADO, em “DEUS ESTÁ NO CONTROLE”)

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

 
 SÓ PARA VOCÊ!
“Toda a terra está cheia de admiração por causa das tuas maravilhas, do nascente ao poente despertas canções de alegria”. Salmos 65:7-9
Vou contar para você uma coisa que pode expandir a sua imaginação! Você não precisa concordar. Você não precisa comprá-la. Apenas pense nela!
Se você fosse a única pessoa na terra, a terra seria exatamente como é. O Himalaia ainda teria o sua magnitude e o Caribe ainda teria o seu encanto. O sol ainda se abrigaria atrás das Montanhas Rochosas ao anoitecer e rajaria luz no deserto pelas manhãs.
Se você fosse o único peregrino neste globo, Deus não diminuiria nem um pouco a sua beleza. Ele está esperando que você saia da toca, esfregue o sono dos seus olhos e veja a bicicleta amarela brilhante que Ele montou só para você sorrir!
Ele está esperando que os seus olhos arregalem e que o seu coração palpite forte! No silêncio ele se inclina para frente e sussurra… “Eu fiz isso só para você!”
(Max Lucado, em “A GRANDE CASA DE DEUS”)

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012


 CONFLITO E COMBATE
Há uma idéia muito comum de que o poder de Deus na vida humana deve erguê-la acima das dificuldades e dos conflitos. O fato, porém, é que o poder de Deus sempre traz um conflito e combate. É de se pensar que em sua viagem missionária a Roma Paulo estivesse, por alguma poderosa manifestação de Deus, livre das tempestades e dos inimigos. Mas, ao contrário, sua viagem foi uma luta dura e longa contra as perseguições dos judeus, contra violentos temporais, contra víboras e todos os poderes da terra e do inferno, e quando foi salvo, foi salvo nadando até à ilha de Malta, segurando-se nos destroços do navio; por pouco não teve o mar por sepultura.
Era isto próprio de um Deus todo-poderoso? Sim, exatamente. E Paulo nos diz que, quando colocou o Senhor Jesus Cristo como a vida de seu corpo, veio-lhe imediatamente um grave conflito; aliás, um conflito que nunca terminou, uma pressão que foi persistente, mas da qual ele sempre saiu vitorioso pela força de Jesus Cristo.
A linguagem em que ele descreve isto é a mais eloquente. “Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desesperados; perseguidos, mas não abandonados; derribados, mas não destruídos; levando sempre no corpo o morrer de Jesus para que também a sua vida se manifeste em nosso corpo.”
Que luta incessante! É impossível expressarmos em nossa língua a força das expressões do texto no original. Há ali cinco figuras seguidas. Na primeira a idéia é a de inimigos cercando-o de todos os lados; entretanto não o podiam esmagar porque os exércitos celestiais os mantinham a uma distância razoável para que ele se livrasse. A tradução literal poderia ser: “Somos apertados de todos os lados, mas não esmagados”.
A segunda figura é a de alguém cujo caminho parece totalmente fechado e que, no entanto, avança; há luz suficiente para mostrar-lhe o próximo passo.
A terceira figura é a de um inimigo a persegui-lo ferozmente, mas ele não está só: o divino Defensor está ao seu lado.
A quarta figura é ainda mais vivida e dramática. O inimigo o alcançou, feriu e derrubou. Mas não foi um golpe fatal: ele é capaz de levantar-se novamente. A tradução poderia ser: “derrubado, mas não derrotado”.
A quinta figura vai mais além, e agora parece ser a própria morte: “Levando sempre no corpo o morrer de Jesus”. Mas a vida de Jesus vem em seu auxílio, e ele vive na vida de Cristo, até completar o seu trabalho na terra. Sim, lugares difíceis são a própria escola da fé e do caráter.
(Lettie Cowman, em “MANANCIAIS NO DESERTO)

domingo, 2 de dezembro de 2012


sábado, 1 de dezembro de 2012

 
 O MELHOR
“Se quiserdes, e ouvirdes, comereis o bem desta terra” Is 1:19
Se você está disposto a conhecer e seguir Jesus e é obediente a Ele, a vontade de Deus é que você tenha o melhor. Assim sendo fica claro que você não poderá andar em desobediência e desfrutar das coisas boas de Deus.
Deus não é avarento. Ele não colocou tantas coisas boas no mundo para o proveito do diabo e de seus seguidores. Algumas pessoas têm a idéia de que o cristão jamais deve possuir coisa alguma no sentido financeiro ou material. Acreditam que o cristão deve viver na pobreza e no abatimento.
Jesus, porém, disse: “Se, vós, pois, sendo maus, sabeis dar boas coisas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai, que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?” (Mt 7.11).
Deus deseja dar-nos coisas boas! Ele quer que recebamos o melhor! Que vivamos o melhor. Ele anseia que prosperemos e tenhamos as melhores coisas da vida, mas, para isso, precisamos cooperar com Ele.
O que isso significa? Simples – Orar, adorá-Lo, seguí-Lo, serví-Lo. A ELE somente, unicamente, essencialmente. Deus espera de nós exclusividade, não porque Ele seja egocêntrico, mas porque Ele sabe que, quando nos dirigimos e reverenciamos outros “deuses”, buscando ajuda em outras mãos que não sejam as de Jesus, nós nos “desitratamos” espiritualmente, Um vazio imenso começa a se instalar progressivamente em nosso íntimo. Por isso que Ele EXIGE que estejamos permanentemente em contato unicamente com ELE através do SEU Filho, Jesus Cristo. Aquele que é o CAMINHO, a VERDADE e a VIDA. Aquele que afirmou categoricamente: “Ninguém pode vir ao Pai, senão por mim.” (João 14.6)
É esse DEUS, Todo-Poderoso e cheio de Graça, amor e misericórdia,  que tem as melhores dádivas para nos entregar.
(Kenneth Hagin, em “ALIMENTO DA FÉ”)

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

 
 A FÉ É A VITÓRIA
“Pela fé entendemos que os mundos, pela Palavra de Deus, foram criados; de maneira que aquilo que se vê não foi feito do que é aparente” Hb 11:3.
Eu insisto na verdade de que a fé é uma realidade, e Deus quer levar-nos a esse fato. Ele quer que nós saibamos sobre algo maior do que aquilo que vemos ou tocamos, porque tudo isso passará.
Deus declarou a Palavra e fez o mundo, e eu desejo que você se deixe impressionar por esta Palavra maravilhosa e poderosa (porque é obra de Deus), a Palavra que salva, que é incorruptível, e assim a nossa porção é acreditar firmemente em coisas que não vemos, e crer nas que não podem ser compreendidas.
Fé é alimentar-se de verdades tais como:
“”Pede-me, e Eu te darei as nações por herança, e os confins da terra por sua possessão.” (Sl 2:8);
“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á.” (Mt 7:7);
“Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu.” (Mt 18:18);
“Porque em verdade vos digo que qualquer que disser a este monte: Ergue-te e lança-te no mar, e não duvidar em seu coração, mas crer que se fará aquilo que diz, tudo o que disser lhe será feito.” (Mc 11:23);
“Por isso vos digo que todas as coisas que pedirdes, orando, crede receber, e tê-las-eis.” (Mc 11:24)
A fé vive em uma posição de comando, na qual você sabe que Deus operará o milagre, se você atrever-se a permanecer na Palavra, na Videira, na Verdade.
A fé é a vitória! A fé é a vitória! Gloriosa vitória que vence o mundo!
(Smith Wigglesworth, em “CRÊ SOMENTE!”)

quinta-feira, 29 de novembro de 2012


CONSCIÊNCIA, UMA BOA AMIGA
Algumas pessoas ignoram os sinais de advertência que Deus lhes dá porque, no fundo dos seus corações, não querem fazer aquilo que Deus está lhes orientando a fazer. Por medo, elas decidem fazer a coisa errada, e depois, mais tarde, desejam de todo o coração que nunca tivessem agido contra a sua consciência.
O Espírito Santo ocupa uma posição de autoridade sobre nós. Ele fala através da nossa consciência, portanto, devemos nos submeter à Sua autoridade. A nossa própria mente, sem a influência do Espírito Santo, nos levará à morte : “A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz” Rm 8:6.
1Co 2:13-15 diz que o homem natural não entende o homem espiritual, no sentido de que a nossa mente racional não entende o nosso coração espiritual. Uma pessoa simplesmente não pode obedecer o Espírito sem prestar atenção á voz da consciência. Quanto mais espiritual o cristão é, mais ele ouve a voz da sua consciência. A consciência do cristão deve ser para ele uma verdadeira e boa amiga.
Não podemos agir adequadamente em fé se tivermos uma consciência culpada por não obedecermos ao que sabemos que Deus quer que façamos. Essa convicção afeta a nossa fé e a nossa adoração à Deus. O apóstolo Paulo falou muitas vezes sobre a sua consciência, dizendo; “Digo a verdade em Cristo, não minto, testemunhando comigo, no Espírito, a minha própria consciência” Rm 9:1.
Não importa o que Paulo fizesse, ele estava acostumado a consultar sua consciência para saber se ela testificava a aprovação de Deus. Paulo disse que sabia que estava fazendo a coisa certa porque o Espírito Santo iluminava sua consciência. Paulo obviamente havia desenvolvido um “ouvido sensível” à voz do Espírito Santo.
Se nossa consciência não testifica, se não cremos que Deus está de acordo com o que planejamos fazer, não devemos prosseguir, ainda que não consigamos explicar porque sentimos que alguma coisa está errada. Não estou falando de basear nossas decisões em sentimentos, mas há uma sensação de desconforto quando Deus está falando através da nossa consciência para impedir-nos de sair do caminho que conduz ao melhor de Deus para nós. Obediência à voz de Deus nos faz ser benção e nos capacita a receber Suas bençãos. é isso que Ele quer de nós.
(Joyce Meyer, em “COMO OUVIR A VOZ DE DEUS”)

quarta-feira, 28 de novembro de 2012


PASSO A PASSO
A verdade da Palavra escrita de Deus é um ancoradouro para a nossa alma quando nos tornamos temporariamente cegos pelas tempestades. Sempre podemos ouvir a Deus através da Sua Palavra escrita. Mesmo que a Palavra não fale à nossa situação particularmente específica, ela fala sobre o caráter de Deus e nos diz que Ele sempre cuida de nós e faz um caminho para nós.
A Palavra ensina que nosso conhecimento é fragmentado, incompleto e imperfeito. Ora, freqüentemente temos imensa dificuldade de entender isso, pensamos sabemos de tudo! Mas, o fato é que conhecemos em parte., e é por isso que precisamos de confiança em Deus.
Ele nos guia, não nos empurra. Ele não nos dá um mapa e nos envia para seguirmos o nosso caminho sem Ele. Ele quer que O sigamos um passo de cada vez. Passo a passo. Passo a passo.
Entender que a vontade de Deus para você é revelada um passo de cada vez edificará a sua confiança para fazer, pelo menos, o que você já sabe que deve fazer. Após os dois primeiros passos, a sua fé aumentará porque você perceberá que sempre há uma base segura por baixo de cada passo que Ele o instrui a dar.
Quando Deus falou com Abraão, pediu que ele desse um passo difícil; “Abraão, desmonte a tua tenda, deixe este país, deixe tua família, e vá para onde eu o conduzir. Confie em mim.”
“Farei de você uma grande nação, e o abençoarei.” Gn 12:2. Podemos ler esta promessa e pensar – oh, aleluia! Mas não podemos esquecer do sacrifício exigido a Abraão. Será que Abraão se preocupou com isso? Hebreus 11;8 diz: “Pela fé Abraão, quando chamado, obedeceu e dirigiu-se a um lugar que mais tarde receberia como herança, embora não soubesse para onde estava indo.” Abraão  simplesmente começou a andar pela fé quando Deus o pediu que fizesse, passo a passo.
Somente pessoas determinadas a fazer aquilo que Deus lhes pede, vêem realizada a vontade de Deus em suas vidas. Só porque demos um passo de fé não significa que estamos isentos de passar pelo resto do processo. Deus geralmente constrói  de forma lenta e sólida, e não de forma rápida e frágil.
(Joyce Meyer, em “COMO OUVIR A VOZ DE DEUS”)

terça-feira, 27 de novembro de 2012

LIÇÕES DOS SALMOS
O livro de Salmos me mantém honesto fornecendo-me palavras para orações que eu nem tentaria proferir sem a provocação deles. Aprendi a orar de modo mais humano lendo os salmos e transformando-os em orações minhas. Quando leio os salmos de vingança e de ira, sou obrigado  a constatar as mesmas tendências em mim mesmo. Os salmos lançam luz sobre pequenos ressentimentos e feridas há muito tempo “sepultados”.
Causa-me uma sensação de libertação o fato de que Deus me aceita bem quando, em minhas orações, enfrento o lado negro em mim, e até me estimula a fazer isso. Posso confiar a Deus todos os meu segredos.
Certa vez, estudei uma seqüência de dez salmo (35-44) e listei alguns princípios da oração que aprendi com eles. Descobri que os salmos ampliam meu conceito de oração, fazem ousar mais nesta maravilhosa aventura que é depender somente de Deus, exigir mais do relacionamento e expressar mais paixão. Em suma, eles revelaram a superficialidade das minhas orações pessoais e Desafiaram-me a engajar-me com Deus num nível mais profundo. Aqui estão algumas coisas que aprendi:
* Eliminar o rancor contra os inimigos, não com fofocas e hostilidade, mas informando Deus sobre a injustiça deles e pedindo-lhe para acertar as contas.
* Posso manifestar a impaciência pedindo-lhe uma resposta rápida à oração, (sentir impaciência é algo danoso a nós, porém, quando a sentimos, somos livres para assumi-la confessando-a a Deus).
* A oração às vezes envolve falar consigo mesmo (“Não se afobe”; “”Confie em Deus”; “Fique calmo”), dizendo em voz alta o que você sabe que é bom, mas acha difícil pôr em prática.
* Concentre-se não apenas nas injustiças e nos problemas da vida, mas também em tudo que dá certo. Tente lembrar as coisas boas do passado e não se esqueça nas trevas o que você aprendeu na luz.
* Projete-se no futuro como uma pessoa mudada. É o que os psicólogos chamariam de  “princípio do agir como se…”
Além desses princípios, nos salmos aprendi a conversar com Deus como conversaria com meu patrão, meu amigo, minha mulher – em suma, tratar Deus como uma pessoa em todos os sentidos da palavra. Antes eu via a oração como uma espécie de dever, não como uma válvula de escape para tudo aquilo em que estava pensando ou sentindo. Os salmos me permitiram ir mais fundo em mim mesmo e no meu relacionamento com Deus.
(Philip Yancey, em “ORAÇÃO ELA FAZ ALGUMA DIFERENÇA”)



segunda-feira, 26 de novembro de 2012

FATOS HARMONIOSOS

“Sabemos que todas as cousas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus” Rm 8:28
Como é ampla esta afirmação do apóstolo Paulo! Ele não diz: Sabemos que algumas coisas, ou a maioria das coisas, ou as coisas alegres, mas TODAS as coisas. Da mais insignificante até à mais marcante; do acontecimento mais corriqueiro da vida diária, até às maiores experiências da graça. E todas as coisas COOPERAM — elas estão operando. Não diz que operaram ou operarão; é uma operação no presente.
Todas as coisas cooperam. Há um a interligação em tudo. Muitas cores diferentes, em si mesmas talvez feias e inexpressivas, são necessárias para se tecer um padrão harmonioso. Muitos tons e notas musicais, até mesmo dissonantes, são indispensáveis para se compor uma música harmoniosa. Para montarmos uma máquina precisamos de muitas rodas e junturas separadas. Se tomarmos um fio de linha, ou uma nota, ou uma roda dentada, isoladamente, não discerniremos ali nenhuma beleza. Mas, se completarmos o tecido, combinarmos as notas, ou juntarmos as peças de ferro e aço, veremos como é perfeito e simétrico o resultado.
Aqui está a lição para a fé: “O que eu faço, tu não o sabes agora; mas depois o entenderás.” —Em mil aflições, não são quinhentas delas que cooperam para o bem do crente, mas novecentas e noventa e nove mais uma — as mil.
(Jorge Müller, em “QUANDO ORAMOS DEUS TRABALHA PARA NÓS”)

domingo, 25 de novembro de 2012


RESPOSTAS DEMORADAS
Por que Deus quis que a oração, e freqüentemente a oração persistente, fosse um requisito para recebermos Seus benefícios? Será que é para que o tornemos mais desejoso de abençoar-nos? Não. Deus almeja dar-nos boas coisas. Mas, Ele deseja algo mais ainda, Ele quer um relacionamento comunicativo e íntimo conosco, pelo qual O amamemos e O procuremos, relacionamento caracterizado por uma dependência visceral e um espírito grato. Ele anseia, ainda, por enriquecer-nos com algo infinitamente melhor, mais valioso, do que simplesmente as dádivas que Lhe pedimos – uma experiência pessoal rica, concernente a Ele mesmo.
Muitos de nós passaríamos de largo por estas bênçãos mais profundas de dependência e comunhão, se o Senhor automaticamente providenciasse a satisfação de todas as nossas necessidades, sem que a pedíssemos ou se pedíssemos apenas uma vez. Deus anteviu isto, e planejou de acordo. Fez da oração não um artigo de luxo, opcional, mas a maneira determinada, e prescrita, para que recebêssemos Suas bênçãos. Nossas necessidades e desejos estimulam-nos a nos aproximar Dele, ao invés de negligenciá-Lo. E à medida que vamos orando, e esperando, e continuando a orar, recebemos as respostas eventualmente esperadas e mais, a profunda experiência da presença e da bondade de Deus.
A oração persistente não muda a vontade de Deus; contudo, este tipo de oração é a forma Dele realizar Sua vontade e, especialmente, esta oração nos muda. As respostas demoradas, que exigem persistência, ajudam-nos a crescer. Aumentam nossa fé em Deus. Desenvolvem nossa perseverança e nosso caráter, e ajudam-nos a vencer a impaciência. A pessoa pode pecar – não pelo que faz, mas por recusar-se a esperar. Desejar uma coisa boa, é virtude. Desejá-la já, pode ser pecado. A impaciência indica falta de confiança na perfeição da vontade e dos métodos de Deus.
(Warren Myers, em “O SEGREDO DA ORAÇÃO”)

sábado, 24 de novembro de 2012


 LEVANTAI AS MÃOS CANSADAS
“Portanto tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados, e fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja se não desvie inteiramente, antes seja sarado” Hb 12.12:13
Esta é uma palavra de encorajamento que Deus nos dirige, a fim de levantarmos as mãos da fé e firmarmos os nossos joelhos na oração. Muitas vezes a nossa fé se cansa, esmorece, afrouxa, e a oração perde a força e a eficácia.
A figura aqui usada é muito interessante. A idéia parece sugerir que ficamos desanimados e tão temerosos que um pequeno obstáculo nos deprime e assusta, de modo que somos tentados a contorná-lo, deixando de enfrentá-lo e escolhendo o caminho mais fácil.
Há várias maneiras de contornar as situações difíceis em vez de atravessá-las de frente. Quantas vezes deparamos com um obstáculo que nos amedronta, e procuramos fugir da questão com a desculpa: “Não estou preparado para isto agora”. Talvez seja alguma Jericó que precisa ser tomada, ou uma alma por cuja salvação não temos coragem de lutar em oração até alcançar a vitória ou pode ser também uma oração que não obtém resposta imediata.
Deus diz: “Levantai as mãos cansadas” . Marchemos sobre as águas, e elas se dividirão — o mar Vermelho se abrirá, o Jordão se partirá em dois, e o Senhor nos fará atravessar em vitória. Procuremos prestar ao desânimo a mínima atenção possível. É preciso que singremos as águas como faz o navio: com violentas ondas ou na calmaria, sob chuva ou sol. O alvo é transportar a carga e alcançar o porto, não contando com nossa força humana, mas com a intervenção do Pai presente e amoroso que nunca nos falta, especialmente quando o chamamos em oração.
(Lettie Cowman, em “MANANCIAIS NO DESERTO”)

sexta-feira, 23 de novembro de 2012


 EXPERIÊNCIA PRECIOSA
“Quando vos desviardes para a direita, e quando vos desviardes para a esquerda, os teus ouvidos ouvirão atrás de ti uma palavra, dizendo: Este É o caminho, andai por ele” Is 30:21
Quando estivermos em dúvida ou dificuldade, quando muitas vozes nos recomendarem com insistência esta ou aquela direção, quando a prudência segredar uma advertência e a fé, outra, então, fiquemos quietos, silenciando cada voz intrusa, aquietando-nos no sagrado silêncio da presença de Deus; estudemos a Sua Palavra com inteireza de coração examinando-nos à pura luz da Sua face, desejosos de conhecer somente o que o Senhor Deus determinar — e não passará muito tempo até que se forme em nós uma impressão muito nítida, a inconfundível comunicação da Sua vontade.
Aqueles que têm tido experiências com Deus conhecem bem o valor da comunhão secreta com Ele, e podem perceber a Sua vontade. Se estamos em dúvida a respeito do caminho a tomar, levemos o problema a Deus; a orientação virá através da luz do Seu sorriso ou da nuvem da Sua recusa.
Se ficarmos a sós, onde a luz e as sombras da terra não possam interferir, onde as opiniões humanas não nos possam alcançar — e se nos mantivermos ali, em silêncio e expectação, embora todos ao nosso redor insistam em que tomemos uma decisão imediata — a vontade de Deus se fará clara; passaremos a ter um novo conceito de Deus e uma visão mais profunda da Sua natureza e Seu coração de amor, uma visão que será apenas nossa — uma experiência preciosa, que ficará para sempre como aquisição, a rica recompensa daquelas longas horas de espera.
(Jorge Müller, em “QUANDO ORAMOS DEUS TRABALHA PARA NÓS”)

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Dia de Ação de Graças !
 "Senhor, a ti pertence a terra e tudo o que nela se contém, o mundo e os que nele habitam.
Graças te rendemos porque somos parte de tua criação maravilhosa.
Senhor, tu nos fizeste e nos amas. Tu és a nossa rocha e a nossa fortaleza.
Recebe, Senhor, toda a nossa gratidão"! 


("O costume do "Dia de Ação de Graças" vem dos Estados Unidos. Em 1620, saindo da Inglaterra, singra os mares o "Mayflower", levando a bordo muitas famílias. São peregrinos puritanos que, fugindo da perseguição religiosa, vão buscar a terra da liberdade. Chegando ao continente americano, fundam treze colônias, semente e raiz dos Estados Unidos da América do Norte.
O primeiro ano foi doloroso e difícil para aquelas famílias. O frio e as feras eram fatores adversos. Não desanimaram. Todos tinham fé em Deus e nas suas promessas. Cortaram árvores, fizeram cabanas de madeira, e semearam o solo, confiantes. Os índios, conhecedores do lugar, ensinaram a melhorar a produção. E Deus os abençoou. No outono de 1621, tiveram uma colheita tão abençoada quanto abundante. Emocionados e sinceramente agradecidos, reuniram os melhores frutos, e convidaram os índios, para juntos celebrarem uma grande festa de louvor e gratidão a Deus. Nascia o "Thanksgiving Day", celebrado até hoje nos Estados Unidos, na quarta quinta-feira de novembro, data estabelecida pelo Presidente Franklin D. Roosevelt, em 1939, e aprovada pelo Congresso em 1941.
O embaixador brasileiro Joaquim Nabuco, participando, em Washington, da celebração do Dia Nacional de Ação de Graças, falou em tom profético: "Eu quisera que toda a humanidade se unisse, num mesmo dia, para um universal agradecimento a Deus". Estas palavras moveram consciências no Brasil. No governo do Presidente Eurico Gaspar Dutra, o Congresso Nacional aprovou a Lei 781, que consagrava a última quinta-feira do mês de novembro como o Dia Nacional de Ação de Graças.
Porém, em 1966, o Marechal Humberto Castelo Branco modificou esta Lei, dizendo que não a última, mas a quarta quinta-feira do mês de novembro seria o Dia Nacional de Ação de Graças, para coincidir com esta celebração em outros países.
Sim, aquelas palavras de Joaquim Nabuco, grande estadista brasileiro, encontraram eco em muitos corações. Hoje, são muitas as comunidades que, como num grande coro universal de gratidão a Deus, celebram nacionalmente o Dia de Ação de Graças, na quarta quinta-feira de novembro.
Em tudo e por tudo devemos dar graças a Deus!")

terça-feira, 20 de novembro de 2012

ATRAVESSANDO O RIO

“Passemos para a outra margem” Mc 4:35
Quando avançamos a mando de Cristo, não devemos pensar que não seremos alcançados por tempestades; os discípulos estavam seguindo adiante a mando de Cristo, e mesmo assim tiveram que enfrentar um furioso temporal. Viram-se em perigo de submergir, de tal forma que, em seu desespero, clamaram pelo socorro do Senhor.
Se Cristo demorar a vir nos socorrer na dificuldade, isto será para o nosso bem, podemos ter certeza disso; para que nossa fé se torne vigorosa e robusta, e aumente o nosso desejo de libertação, assim, quando o livramento vier, o apreciaremos mais plenamente.
Cristo os repreendeu com brandura, dizendo: “Como é que não tendes fé?” Por que vocês não deram o grito de vitória, mesmo em face da tempestade, e não disseram aos ventos e às vagas: “Nada nos podeis fazer, pois Cristo, o poderoso Salvador, está no barco”? É muito mais fácil confiar quando o sol está brilhando do que quando estamos no meio do temporal. Nunca sabemos quanto possuímos de fé verdadeira, enquanto ela não é posta à prova; mas o Salvador está a bordo. Para estarmos fortes no Senhor e na força do Seu poder, a nossa força precisa nascer no meio da intempérie. Com Cristo no barco Tudo vai muito bem.
Cristo lhes disse: “Passemos para a outra margem”; não disse casualmente: “Vamos para o meio do lago” — para então se afogarem, apanhados de surpresa pelo temporal. Ele sabia o que estava fazendo.
(Dan Crawford, em “LIDAR COM CONFLITOS”)

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

ARMA DE SOBREVIVÊNCIA
Numa viagem ao Reino Unido, nossa família visitou um castelo. No centro do jardim havia um labirinto. Fileiras e mais fileiras de arbustos, cuja altura chegava nos ombros, levavam a um beco sem saída atrás do outro. Uma passagem bem-sucedida pelo labirinto dava na porta para uma grande torre no centro do jardim. Se você olhar as fotos da viagem que nossa família tirou, verá quatro dos cinco membros em pé no topo da torre. Hum… alguém ficou no chão. Adivinhe quem foi?
Fiquei preso entre as folhagens. Simplesmente não consegui encontrar a saída.Ah, mas então ouvi uma voz do alto. “Ei, papai!”. Olhei para cima e vi Sara, espiando por uma torreta nas alturas. “Você está indo na direção errada”, explicou ela. “Volte e vire para a direita”.
Você acha que eu confiei nela? Não precisava. Eu podia ter confiado em meus próprios instintos, consultado outros turistas confusos, ter sentado, batido o pé e questionado por que Deus havia deixado aquilo acontecer comigo. Mas sabe o que eu fiz? Eu ouvi. A posição privilegiada dela era melhor que a minha. Ela estava acima do abirinto. Podia ver o que eu não conseguia enxergar.
Você não acha que deveríamos fazer o mesmo com Deus? “Deus vive lá nas alturas dos céus” ( Jó 22.12). “O Senhor está exaltado acima de todas as nações” (Sl 113.4). Ele não é capaz de ver o que nos ilude? Ele não quer nos resgatar e nos conduzir para casa? Então devemos fazer o que Jesus fez.
Confie nas Escrituras. Duvide de suas dúvidas antes de duvidar de suas crenças. Jesus disse a Satanás: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus” (Mt 4.4). O verbo proceder significa literalmente “que se derrama”. O tempo verbal sugere que Deus está se comunicando de maneira dinâmica e constante com o mundo por meio de sua Palavra. Deus ainda fala!
A arma de sobrevivência recomendada por Jesus é a Palavra de Deus. Se a Bíblia foi suficiente para o deserto dele, não deveria ser suficiente para o nosso? Entenda bem. Tudo de que eu e você necessitamos para sobreviver no deserto está no Livro. Precisamos simplesmente dar ouvidos a ele.
(Max Lucado, em “O SALVADOR MORA AO LADO”)

domingo, 18 de novembro de 2012

ENTREGUE E DESCANSA

“A fé é… a convicção de fatos que se não vêem” (Hb 11.1.)
A fé verdadeira coloca a sua carta na caixa do correio e a deixa ir. A desconfiança a segura por uma ponta, e fica imaginando por que a resposta não vem. Eu tenho algumas cartas na minha escrivaninha, escritas já há semanas, mas, como não havia muita certeza quanto ao endereço ou ao conteúdo, não foram postas no correio. Ainda não cumpriram nada, quer a meu favor, quer dos outros. E nunca terão nenhuma finalidade, enquanto não saírem das minhas mãos e não forem entregues ao correio.
Assim acontece quando temos fé verdadeira. Entregamos o problema a Deus; e Ele, então, opera. É tão boa aquela passagem no Salmo 37: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais ele fará.” Mas Ele nunca poderá fazer nada, se não Lhe fizermos a entrega. Fé é tomar para si as dádivas oferecidas por Deus. Nós podemos crer, entregar e descansar; mas não compreenderemos todo o alcance da bênção que é nossa, enquanto não começarmos a receber, e assumirmos a atitude de permanecer ali e tomar posse.
O mandamento: ‘Não estejais inquietos por coisa alguma’ é ilimitado; e assim também a palavra: ‘Lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade’. Se lançamos as nossas cargas sobre outra pessoa, será que elas continuam pesando sobre nós? Se voltamos com elas do trono da graça, é evidente que não foram deixadas lá. Com referência a mim mesmo, tenho feito disto um teste para minhas orações: se depois de entregar qualquer problema a Deus eu posso, como Ana (1 Samuel 10-18), voltar com um semblante que já não está triste, um coração que não está mais sob peso e ansiedade, tomo isto como prova de que orei com fé; mas se trago comigo o meu fardo, concluo que a fé não foi posta em prática.
“Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós” 1 Pedro 5:7
(Lettie B. Cowman, em “MANANCIAIS NO DESERTO”)

sábado, 17 de novembro de 2012

DEUS TRABALHA!

“Ele trabalha” Sl 37:5
Uma tradução do versículo: “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais ele fará”, diz: “Deixa rolar sobre Jeová o teu caminho, confia nele, e Ele trabalha.”
A tradução chama a nossa atenção para a imediata ação de Deus quando verdadeiramente entregamos, ou fazemos rolar das nossas mãos para as Dele, o fardo, seja ele qual for: o sofrimento, a dificuldade, as necessidades materiais, ou a ansiedade pela conversão de algum ente querido.
“Ele trabalha.” Quando? Agora. É tão fácil adiarmos o momento de crer que Ele toma nas mãos o que Lhe confiamos, e que Ele toma para Si executar aquilo que Lhe entregamos — em vez de afirmarmos no ato da entrega: “Ele trabalha”, “Ele trabalha agora mesmo”; e o louvarmos por ser assim.
A nossa atitude de expectativa e confiança libera a operação do Espírito Santo no problema que Lhe entregamos. A questão fica fora do nosso alcance. Deixamos de tentar resolvê-la. “Ele trabalha!”
Este fato deve confortar-nos; não precisamos mais nos preocupar, quando a questão já foi entregue em Suas mãos. Oh, que alívio isso nos traz! Ele está realmente operando naquela dificuldade.
Mas, talvez alguém diga: “Eu não vejo os resultados.” Não faz mal. Se entregamos o assunto a Ele e olhamos para Jesus esperando que Ele opere, “Ele trabalha”. A fé pode ser provada, mas “Ele trabalha”; a Palavra é segura.
“Clamarei ao Deus altíssimo, ao Deus que por mim tudo executa.” Sl 57:2
Uma tradução antiga diz: “Ele executará o que eu tenho pela frente.” Esta expressão torna o verso bem significativo para nós. Peça o que pedir que Ele faça, devo descansar, seguro de que Ele o fará. “Os sábios, e os seus feitos estão nas mãos de Deus.”
O Senhor cumprirá até o fim os compromissos assumidos nas promessas que nos faz. O que quer que Ele tome nas mãos, Ele executará; assim, as misericórdias passadas são garantias para o futuro, e são razões verdadeiras para continuarmos a clamar a Ele.
(C. H. Spurgeon, em “DEUS NÃO MUDA”)