quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

BEM ESTAR 
“Ponham-se nas encruzilhadas e olhem; perguntem pelos caminhos
antigos, perguntem pelo bom caminho. Sigam-no e acharão descanso.”

JEREMIAS 6.16
O que mais importa não é o fato que eu conheço a Deus, mas, sim, algo muito maior que está implícito neste conhecimento — ele me conhece. Eu estou gravado nas palmas de suas mãos. Nunca sou esquecido por Ele. Todo o meu conhecimento Dele depende da iniciativa permanente da parte de Deus em me conhecer. Eu O conheço porque Ele me conheceu primeiro e continua a me conhecer.
Ele me conhece como meu melhor amigo, na verdade Ele me conhece muito melhor que este amigo. Não há um único momento em que Ele tira seus olhos de mim ou que se distrai e me esquece; portanto, não há um momento sequer em que Ele deixa de cuidar de mim. Este é um conhecimento extremamente significativo. Há um indizível conforto — o tipo de conforto que nos dá poder, isto é, não nos enfraquece — em conhecer este Deus que está constantemente consciente de mim, cuidando de mim, para o meu bem, e não apenas para o meu conforto.
Há um conforto e bem estar imensos na consciência de que O Deus que criou o universo e a vida, e os mantém, permanece dia e noite ao meu lado. Não como um mordomo pronto a me atender, mas como um pai-parceiro, disposto a me ajudar a ser melhor.
(J. I. Packer, em “O CONHECIMENTO DE DEUS”)

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

COMO PEDIR FÉ SEM FÉ? 

“Peçam com fé e não duvidem de modo nenhum.” (Tg 1.6a)
Tiago acaba de dizer que Deus responderá à oração “porque é generoso e dá com bondade a todos”. Esse “todos” não inclui os crentes sem fé. Daí a exortação: “Tenham também coragem ao pedir e acreditem de verdade, sem pensar duas vezes” (1.6). Nesse caso, aquele que não tem fé deve primeiro suplicar por fé, e não por sabedoria ou qualquer outra coisa. Porém, como pedir fé se a oração sem fé não é válida? Como se pode pedir fé sem fé?
Talvez haja uma fé tão pequena quanto a substância ainda informe que está no útero de uma mulher que acabou de engravidar. É pequena, mas existe. Jesus não disse que a pequena fé, do tamanho de uma semente de mostarda, seria suficiente para transportar montanhas de um lugar para outro (Mt 17.20)? Os discípulos de Jesus não foram humildes e honestos para pedir ao Senhor: “Aumente a nossa fé” (Lc 17.5)? E o pai daquele endemoninhado não disse a Jesus: “Eu tenho fé! Ajuda-me a ter mais fé ainda!” (Mc 9.24)?
E se aquele que ora acha que nem a fé do tamanho de um embrião ele tem, ele pode começar a subir a montanha da fé confessando essa carência. Ele deve sentar-se entre os que creem e, desse modo, ser imperceptivelmente contagiado por eles. Ele deve se aproximar da Palavra de Deus, pois “a fé vem por ouvir a mensagem, e a mensagem vem por meio da pregação a respeito de Cristo” (Rm 10.17, AS21). Ele deve levar a sério o que está registrado no livro do profeta Isaías: “Escutem, os que têm sede: venham beber água! Venham, os que não têm dinheiro [ou os que não têm fé]: comprem comida e comam! Venham e comprem leite e vinho, que tudo é de graça” (Is 55.1). Abraão não creu de uma hora para a outra. A fé do chamado “pai da fé” foi crescendo de lance em lance, de degrau em degrau.
Fé pequena não é uma sina!
(Devocional da Revista Ultimato)

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

OS FELIZES
Muitas pessoas são perseguidas, não por causa da justiça, mas por uma outra coisa qualquer.
Cuidado para você não fazer um falso juízo de si mesmo!
Alguns são perseguidos, insultados e mal-tratados por conta da sua personalidade desagradável, intratável e intolerável; outros por serem rudes, carrancudos, insensíveis, mal educados; outros porque são orgulhosos e críticos; outros porque são preguiçosos e irresponsáveis (alguém já disse que incompetência mascarada de piedade irá gerar perseguição!); outros por serem mentirosos e contadores de papo; outros por serem fanáticos religiosos e completamente desprovidos de sabedoria para abordar alguém, testemunhar e falar do Evangelho; outros por não terem o menor caráter; outros por causas que não valem a pena brigar e morrer.
Felizes são os que:
Reconhecem sua pobreza espiritual e mendigam diante de Deus;
Choram pelos seus e pelos pecados do mundo e os confessam diante de Deus;
Vivem mansamente e não revidam na mesma moeda, mas se aquietam, confiantemente, diante de Deus, a espera de sua justiça;
Têm fome e sede de justiça e santidade;
Perdoam e estendem misericordiosamente as mãos para ajudar;
Purificam os seus corações, querendo ver a Deus;
promovem a paz, do homem com Deus, do homem com o seu próximo.
Felizes são os que, por assim serem, e viverem, incomodam o mundo de tal maneira, a ponto de serem perseguidos!
Estes são de fato cidadãos do Reino de Deus!
(Pr Samuel Munguba Jr)

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

MUITO ALÉM O ÓBVIO

A realidade, pela minha experiência, além de ser complicada, costuma ser estranha. Ela não é clara, não é óbvia, raramente é do jeito que você esperava.
Por exemplo, quando você entendeu que a Terra e os outros planetas giram em torno do sol, você naturalmente achava que todos os planetas tivessem sido feitos para se emparelhar — todos com a mesma distância uns dos outros, ou pelo menos, a distâncias que proporcionalmente aumentam; que fossem do mesmo tamanho, ou pelo menos que fossem ficando maiores ou menores à medida que se distanciassem do sol. Na verdade, você não encontra explicação ou razão (que nós podemos ver) para os tamanhos nem para as distâncias. Alguns planetas têm uma lua; um tem quatro; outro, duas; alguns nenhuma e outro tem um anel.
A realidade costuma, de fato, ser algo que você jamais teria imaginado. Essa é uma das razões por que eu acredito no cristianismo. Trata-se de uma religião que você nunca teria conseguido inventar.
Pois é, DEUS é imprevisível..
(C. S Lewis, em “CRISTIANISMO PURO E SIMPLES”)

domingo, 16 de fevereiro de 2014

SOMOS LIMITADOS

Compreender que Deus age de forma inesperada é razão para reconhecermos nossos limites. Se insistirmos em pensar que devemos saber tudo ou que somos capazes de fazer qualquer coisa, continuaremos frustrando-nos, pois Deus não opera de acordo com as nossas diretrizes. Na realidade, aceitar as próprias limitações é uma experiência libertadora. É um dos elementos-chave da fé genuína.
Quando você tiver dúvidas sobre o que fazer, confie no Senhor. Quando nada fizer sentido algum, creia. Conhecer nossos limites nos liberta como nenhuma outra coisa o faz. Por que? Porque a fé do Reino submete suas limitações ao ilimitado Deus. Nas mãos Dele, nossas restrições se tornam forças. Paulo declarou que o poder de Deus se aperfeiçoa em nossas fraquezas, por isso falou:
“Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessedades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando estou fraco, então, sou forte.” 2Co 12:10
Conhecer nossas limitações nos faz confiar no poder de Deus e em Sua sabedoria, em vez de confiar em nossa capacidade particular.
Pedro pensou que poderia permanecer firme por Cristo usando sua própria força, mas falhou de forma humilhante quando o temor por sua segurança o levou a negar Jesus três vezes. Contudo, quando Pedro reconheceu suas fraquezas e as submeteu a Deus, ele se tornou um exemplo de fé, proclamando corajosamente o evangelho diante de reis e imperadores.
Confie suas limitações ao Deus ilimitado. Não insista em querer saber tudo. O que tiver de compreender, Ele lhe ensinará. Não fique frustrado por causa das coisas que não pode realizar. Toda vez que precisar fazer algo – o Senhor o capacitará. Deixe Deus ser Deus em sua vida. Permita que o guie quando você estiver pronto.
“SENHOR, o meu coração não se elevou nem os meus olhos se levantaram; não me exercito em grandes matérias, nem em coisas muito elevadas para mim. Certamente que me tenho portado e sossegado como uma criança desmamada de sua mãe; a minha alma está como uma criança desmamada.” Sl 131:1-2
(Myles Munroe, em “RE-DESCOBRINDO A FÉ”)

sábado, 15 de fevereiro de 2014

AMOR E BONDADE

HÁ bondada no amor; mas amor e bondade não são sinônimos; e quando a bondade é separada dos demais elementos do amor, ela envolve uma certa indiferença em relação ao objeto da sua benevolência, ou até mesmo certo conformismo em relação a ele.
A bondade se dispõe de forma bastante rápida à remoção do seu objeto – todos nós já encontramos pessoas cuja bondade em relação aos animais as leva a matá-los para evitar que sofram. A bondade pura e simples não se importa se o seu objeto vem a ser bom ou mau, contanto que ele escape do sofrimento.
De acordo com as Escrituras são os bastardos que são mimados; os filhos legítimos, que têm a incumbência de levar adiante a tradição da família, acabam sendo disciplinados (Hb 12.8). É para as pessoas com as quais não nos importamos nem um pouco que pedimos felicidade incondicional. Quando se trata dos nossos amigos, cônjuges, e filhos, somos exigentes e preferimos muito mais vê-los sofrendo do que vivendo em uma felicidade conformada e alienante.
E parece, a julgar pelos registros, que apesar de Deus ter nos repreendido tantas vezes, Ele jamais se referiu a nós com desprezo. Ele nos recompensou pela extravagante benevolência do seu amor por nós, no sentido mais profundo, mais trágico, mais inexorável.
(C. S. Lewis, em “O PROBLEMA DO SOFRIMENTO”)

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

DEUS LIDA COM IMPOSSIBILIDADES
Deus lida com impossibilidades. Nunca é tarde para Ele operar, quando um impossível Lhe é trazido em inteira certeza de fé, por alguém em cuja vida e circunstâncias precisa realizar-se o impossível para que Deus seja glorificado.
Tem sido dito muitas vezes, e com verdade, que o cristianismo é a única religião que pode resolver a questão do passado do homem. Deus pode “restituir… os anos que o gafanhoto comeu” (Jl 2.25); e Ele o fará quando pusermos toda a situação, e a nós mesmos, confiantes e sem reservas, na Sua mão. E isto, não por causa do que nós somos, mas do que Ele é. Deus perdoa, e sara, e restaura. Ele é “o Deus de toda a graça”. Louvemos o Seu nome, e confiemos Nele.
Nós temos um Deus que se deleita nos impossíveis. Nada é difícil
demais para Ele. Nós temos um Deus que reina absoluto e resoluto sobre tudo e para Ele tudo, simplesmente tudo, lhe é possível, tratável, modificável, curável e realizável.
“Crê tu nisso?” Creia e verás maravilhas!
(Andrew Murray, em “A VIDA INTERIOR”)

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

A FORÇA DA FÉ
Durante a Segunda Guerra Mundial, alguns pobres e perseguidos políticos se refugiaram em um porão escuro e frio da Alemanha. Quando as tropas dos exércitos aliados libertaram a Europa do jugo nazista, achou-se inscrito numa das paredes daquele triste refúgio:
Creio no sol, mesmo que não brilhe.
Creio em Deus, mesmo que permaneça em silêncio.
Creio no amor, mesmo que se oculte.
As energias que brotam no coração, fascinam. Conhecemos a força de vontade e o poder do pensamento positivo. Sabemos também que as palavras possuem vida própria. A mais poderosa de todas as nossas energias, porém, vem da fé. Ela é dom. Com fé, o espírito triunfa sobre a matéria. A fé invoca o eterno sobre o temporal. Nela, a vida vibra. Fé revela que pontos de interrogação têm valor. Fé zomba da certeza – toda certeza encurta os horizontes e somente a dúvida alonga os anseios do coração para além do horizonte. Fé diz não ao grito do desespero. Fé se faz cega ao escárnio da impossibilidade.
Com fé, cremos na força subjetiva do caráter. Quando se manifesta, agimos semelhantes ao homem que num incêndio se joga no vazio, sem ter absolutamente nada senão a voz do bombeiro que orienta o salto. Todo o cristão é um cego, obstinado a dizer sim, quando todos os indícios evidenciam um não.
Fé faz com que as pessoas se comportem como a mãe quando entregou o filho nas mãos do cirurgião. A única garantia que esta mãe possuía era o médico ser uma extensão do seu amor. Pela fé, ela nada tem senão amor como guia. Fé é sempre uma aposta: Deus não desistirá de nós em tempo algum. A única certeza da fé descansa na fragilidade de um querer bem gratuito e unilateral.
Jesus falou a um homem ansioso e decepcionado com a vida: Se creres verás a glória de Deus. Semelhante a ele eu creio. Faltam-me evidências, por isso creio. Minha fé mora além da razão. Por uma tênue intuição, percebo: a glória que o nazareno prometeu pode ser traduzida como esperança, paz ou descanso.
(Soli Deo Gloria-Pr Ricardo Gondim )

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

ENXERGUE-SE COMO REALMENTE É

O enigma sombrio da vida é iluminado em Jesus; o significado, o propósito e o alvo de tudo o que nos sucede, e como fazer que tudo valha a pena só podem ser aprendidos com o Caminho, a Verdade e a Vida. Nada que exista pode existir fora dos limites de sua presença; nela nada é irrelevante, tudo adquire importância.
A tristeza de Deus reside em nosso medo Dele, da vida e de nós mesmos. Como o pai que acolhe os filhos nos braços ao fim de um dia longo e cansativo, assim Deus anseia envolver-nos em seu abraço. Qualquer que tenha sido seu passado ou presente, venha; recline-se no abrigo do amor que Ele oferece e escute o pulsar do coração do Mestre. Permita que Ele lhe ensine sobre a vida, e sobre a eternidade como filho querido de Aba. Sem titubear, enxergue-se como realmente é. Então observe quem você está destinado a ser à medida que transita pela terra como filho de Deus nesta jornada chamada “vida”.
“Não tente segurar a mão de Deus; deixe que Ele segure a sua. Deixe que Ele cuide do `segurar’ enquanto você se concentra no `confiar’.”
(H. William Webb-Peploe)