terça-feira, 31 de janeiro de 2012

CONCENTRE-SE EM DEUS!


Paz é tranqüilidade de espírito. É a consciência tranqüila diante de Deus, a certeza de que temos relacionamento correto com Ele. Paz é ausência de guerra e de medo. Diz 1João 4:18: “No amor não há medo. Antes o perfeito amor lança fora o medo.” O medo priva-nos de nossa paz, e a falta de paz acarreta preocupação e ansiedade.
O medo é o mais desintegrante fator na personalidade humana. Milhares de pessoas estão sendo destruídas por causa de ansiedade, medo e preocupação. Quão loucos somos por viver temendo o amanhã! Não nos esqueçamos de que todos os nossos amanhãs Deus os tem em Suas mãos.
Isaías 26:3 coloca diretamente sobre nós a maior parte da responsabilidade por nossa paz: “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti, porque ele confia em Ti.” Devemos conservar a mente fixa em Deus, a fim de que os nossos pensamentos sejam iguais aos pensamentos Dele. Medite também neste versículo: “E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e as vossas mentes em Cristo Jesus” (Filipenses 4:7).
Temos aqui dupla promessa. A paz de Deus é tão grande que está além da nossa compreensão. Ela guardará os nossos corações (isto é, as nossas emoções), os nossos nervos (a nossa parte sensitiva) e a nossa mente (o nosso pensar, a nossa capacidade de raciocinar).
O versículo 8 fala do que devemos pensar: “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.”
O que é que ocupa o seu pensamento enquanto você dirige o carro ou enquanto pega o ônibus? Sobre o que você pensa enquanto descasca batatas? Você gostaria que os seus pensamentos fossem vistos por seus amados? O que influencia a sua maneira de pensar?
Colossenses 3:15 convida-nos a deixar que “a paz de Cristo domine em nossos corações”. Muitos dos nossos problemas surgem pelo fato de não deixarmos que a paz de Deus impregne e encha as nossas vidas. O versículo 7 do capítulo 5 de 1 Pedro não indica que os cristãos jamais terão problemas. Podemos tê-los; podemos sofrer pressões, reveses e desapontamentos, mas a maneira como os enfrentamos é que mostra se temos paz: “Lançai sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de vós.”
Concentre o pensamento em Deus. Expulsemos o que for negativo. Se eu lançar todo cuidado sobre Ele, Seu poder guardador será sempre meu. Lemos em Hebreus 4:9 11 que há um nível positivo de paz e descanso disponível ao povo de Deus. Diz lá: “Esforcemo-nos pois por entrar naquele descanso.”
Podemos viver num plano superior ao daqueles que não conhecem a Cristo. Podemos entrar num lugar de paz e descanso onde os problemas e as circunstâncias não nos oprimem.
(Betty J, Grams, em “MULHERES CHEIAS DE GRAÇA”)

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

VIVENDO PARA A GLÓRIA DE DEUS


“Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” (1Co 10:31)
Li que 50% dos cristãos acreditam que a felicidade e a realização pessoal são o propósito da vida. Em outras palavras, eles acreditam que Deus os colocou na Terra para que pudessem ser felizes e ter realização pessoal. Mas não é isso o que a Bíblia ensina. Muitas e muitas vezes a Bíblia nos ensina que fomos criados para dar glória a Deus.
O profeta Isaías disse: “Todo o que é chamado pelo meu nome, a quem criei para a minha glória, a quem formei e fiz.” (Is 43:7). Nós fomos criados para dar glória a Deus. Portanto, devemos glorificá-Lo em tudo o que fazemos com nossas vidas, como o apóstolo Paulo nos lembra: “A fim de que nós, os que primeiro esperamos em Cristo, sejamos para o louvor da sua glória.” (Ef 1:12).
Paulo também nos diz: “Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.” (1Co 10:31). Ele diz também: “Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o corpo de vocês.” (1Co 6:20).
Fomos criados para glorificar a Deus. Portanto, deveríamos refletir um pouco a respeito disso e perguntar: “Como posso glorificar a Deus? Tenho buscado a vontade de Deus para minha vida? Tenho andado da maneira que Ele quer que eu ande? Tenho feito o que Ele quer que eu faça?” É nesse compromisso de Lhe dar glória que a nossa vida encontra o propósito, o significado e a felicidade que procuramos.
(Devocionais Diários)

domingo, 29 de janeiro de 2012

DEUS SEMPRE FAZ A COISA CERTA


“Deus sempre faz a coisa certa”. É essa a mensagem final  que podemos extrair da história de  Abraão.
Durante toda a história desse patriarca, vemos que suas experiências com Deus exalam a fidelidade divina. Ele explica que: Deus sempre faz a coisa certa, ainda que, para isso, leve muito tempo.
Quando passa muito tempo entre o momento em que Deus promete algo e o momento em que Ele cumpre Sua promessa, nós agimos como criancinhas que mal podem esperar pelo Natal. Não gostamos de esperar e temos medo de ser esquecidos. É fácil ver por que Abraão ficou impaciente. Quando tirou Abraão de Ur dos caldeus, Deus prometeu-lhe a terra de Canaã e muitos descendentes que se tornariam uma grande nação. Mas, depois de dez anos, Deus ainda não havia cumprido o que prometera.
Ele ainda não tinha um filho depois de dez anos e muitas provações, Abraão quis saber se o acordo continuava de pé. A Bíblia afirma: “Depois destes acontecimentos, veio a palavra do Senhor a Abrão, numa visão, e disse: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, e teu galardão será sobremodo grande… Então, conduziu-o até fora e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade. Ele creu no Senhor, e isso lhe foi imputado para justiça. (Gênesis 15:1,5,6) Mesmo depois dessa palavra de confirmação de Deus, Abraão ainda não sabia o que Deus estava tramando. Em um momento de dúvida, ele e Sara tentaram segurar as coisas em suas mãos gerando um filho por meio da criada de Sara. Mas os caminhos de Deus – e seu sentido de tempo – não são como os nossos. Ainda que o tempo possa parecer longo para nós, Deus sempre faz o que é certo e sempre cumpre Sua promessa. Abraão quer que nos lembremos disso. Deus sempre faz a coisa certa, ainda que o que Ele diz pareça absurdo.
Quando Deus disse a Abraão e Sara: “Certamente voltarei a ti, daqui a um ano; e Sara, tua mulher, dará à luz um filho”, Sara riu e disse: “Depois de velha, e velho também o meu senhor, terei ainda prazer?” (Gn 18:10,12). Embora logo negasse que tivesse rido, ela tinha uma boa razão para isso: Ela tinha 89 anos! Por que Deus esperou tanto para cumprir a promessa? A resposta é que Deus queria a total confiança de Abraão. E isso só acontece por meio da provação. Deus cumpriu sua promessa. No ano seguinte, Sara deu à luz Isaque – ainda que parecesse algo impossível. Nossa mente não consegue conceber todas as coisas que Deus é capaz de realizar. As palavras de Deus a Abraão resumem bem sua capacidade: “Acaso, para o Senhor há coisa demasiadamente difícil?” (Gn 18:14)
A tremenda prova de confiança veio Abraão quando Deus lhe pediu para sacrificar seu amado filho, Isaque. Por que Deus queria que Abraão matasse seu filho da promessa? Isso não fazia sentido, era totalmente ao contrario da promessa de Deus que iria fazer de Abraão uma grande nação. Naquele momento Abraão não perguntou ou duvidou. Ele simplesmente se levanta cedinho para fazer o que foi pedido. Depois de muitos anos fazendo perguntas, ele finalmente tentou ser obediente. Ele tinha aprendido o segredo de andar com Deus: Confiança e obediência. Deus tinha sido fiel a cada promessa que fizera, então, Abraão passou a confiar no Seu caráter.
Meditando sobre a história de Abraão, percebemos que não devemos tentar entender Deus mas sim obedecê-Lo em primeiro lugar.
(John C. Maxwell em “CORRENDO COM OS GIGANTES”)

sábado, 28 de janeiro de 2012


SEM MEDO NA ESTRADA DA VIDA

 Eu sou o Senhor; este é o meu nome! Não darei a outro a minha glória nem a imagens o meu louvor. Vejam! As profecias antigas aconteceram, e novas eu anuncio; antes de surgirem, eu as declaro a vocês”.— Isaías 42:8-9

Não importa o que acontecer nos próximos dias, meses ou anos. Deus já esta lá. Ele não e limitado por espaço e tempo. Ele cria a realidade por sua palavra poderosa. Enquanto alguns talvez tremam com medo por causa do desconhecido, cristãos podem ser confortados ao saber que aonde quer que estejamos, nosso Pai esta conosco.
Ele já esta trabalhando na nossa libertação e salvação. Agora mesmo Ele esta declarando novas coisas para nos – coisas sobre nosso futuro que não podemos ver, mas podemos ter certeza que são bons decretos. Então, na nossa jornada ao futuro desconhecido, vamos assegurar que caminhemos com o Único que conhece o futuro  e tem poder sobre tempo, espaço e circunstâncias.
(Portal Iluminalma)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

MAIS QUE PODEROSOS


“Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo, e nada, absolutamente, vos causará dano.” (Lucas 10.19)
Muitos cristãos são fracos na fé e em determinação. Estão contaminados com a atitude do tipo “não posso, não consigo”. Falta-lhes poder.Você e eu não precisamos implorar a Deus para nos dar poder. Apenas precisamos nos conscientizar e aceitar que nos foi dado poder e então, andar no que já nos pertence. Temos que desenvolver e manter uma consciência plena do que Deus já nos deu, uma atitude cheia de poder e ousadia .
Deus nos deu poder espiritual para a guerra espiritual. O poder espiritual é liberado quando a nossa fé está firme. Quando andamos em fé podemos encarar qualquer situação com um coração cheio de fé e uma atitude de vitória.Teremos uma atitude de confiança quando soubermos quem nós somos em Cristo e quando crermos no poder que a Bíblia diz que é nos pertence pela fé.
Você deseja ser um cristão poderoso? Tente encarar cada situação adversa de sua vida (não importa se ela é grande ou pequena) com uma fé infantil e simples, crendo que Deus é bom, que Ele tem um plano bom para a sua vida e que Ele está trabalhando em seu favor.
Você tem poder. Ande nele.
Fale assim: “O maior vive em mim. Sou cheio do poder miraculoso de Deus. Andarei com aquilo que me pertence”.
(Joyce Meyer, em “O PODER DA ORAÇÃO SIMPLES”)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

ATOS DE GRAÇA QUE NÃO ENTENDEMOS

Tentamos manipular Deus através da nossa filosofia humanista de causa e efeito – se eu sou bom, então mereço recompensa. Mas tais tentativas de manipular o Senhor destroem todo o propósito do cristianismo, que é glorificá-Lo através da nossa obediência aos Seus desejos. E, além disso, se nossa bondade fosse o único fator que Deus considerasse, onde se encaixa a Sua graça? No modo de Deus, é Sua graça que o motiva a dizer não (ou sim).
Deus somente diz não e espere quando é o melhor para nós (Rm 8:28). Muitas vezes, o faz para nos proteger. Nos é difícil digerir isso, mas, para nosso próprio bem, devemos nos confortar com essa verdade quando a resposta do Senhor não é sim, ou imediata.
Às vezes, Ele quer responder nossa oração, mas não é otempo certo. Esperaremos em Deus por Seu momwnto perfeito, ou iremos em frente precipitadamente. Confiaremos na Sua oniciência ou iremos desesperadamente tentar fazer as coisas do nosso jeito?
Não gostamos de ficar esperando, especialmente quando parece que estamos deixando escapar uma oportunidade única. Não apreciamos ouvir Deus dizer aguarde, sobretudo quando tudo em nós diz agora! preciso nesse momento! necessito imediatamente!
Devemos estar sempre concientes que a resposta do Senhor é SEMPRE a melhor para nós. Nos debater como crianças birrentas não mudará Seu posicionamento. Se Ele diz não, então fiquemos certos que isso é o melhor para nós, embora no presente não pareça. Se Ele diz espere, então devemos esperar com perseverança, calma e confiança..
Deus sempre está mais interessado em nosso caráter, nosso futuro e nossa santificação do que em nossa satisfação momentânea. Suas respostas são sempre um ato de graça, motivado por Seu amor.
(Charles Stanley, em “RESOLVA COM ORAÇÃO”)

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

SUPERANDO SUAS ESPECTATIVAS
“Uma coisa pedi ao Senhor, é o que procuro: que eu possa viver na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a bondade do Senhor e buscar sua orientação no seu templo.” 
(Sl 27:4)
Davi tinha uma visão real sobre quem era Deus e pôs o seu coração para segui-lo. No Salmo 57:7, ele escreveu: “Meu coração está firme, ó Deus, meu coração está firme…” Isto significa que o coração de Davi era totalmente focado em quem era Deus. Ele se manteve firme ao que era certo. Ele não era inconstante. Ele era meditativo. Ele era ainda destemido e corajoso.
Paulo fez uma declaração semelhante na carta aos Filipenses: “Irmãos, não penso que eu mesmo já o tenha alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus.” (v 3:13-14)”.Uma coisa. Todo mundo tem uma coisa na sua vida. Eu lhe pergunto: o que é essa coisa para você? Qual é o seu foco na vida? Nosso maior perigo na vida é permitir que coisas urgentes expulsem as importantes; deixarmos de viver por meio de um conjunto claro de prioridades. Davi disse: “Este é o meu coração, é uma coisa minha.” Todo mundo vive por alguma coisa. O mais importante é manter nossa coisa mais importante como mais importante. Deus pode te dar muito mais do que você espera da vida. Então, mais uma vez repito – Ele pode lhe dar mais. Deixe isso nas mãos dEle e o coloque em primeiro lugar.
(Portal Devocionais Diários)

domingo, 22 de janeiro de 2012

NADA NOS FALTARÁ
Logo após a segunda grande guerra, os exércitos aliados recolheram milhares de crianças desabrigadas e famintas, e as levaram para alojamentos especiais. Ali essas crianças foram alimentadas e tratadas.
Entretanto, à noite, elas não conseguiam dormir bem. Pareciam sempre inquietas e temerosas.
Por fim, um psicólogo descobriu a razão do problema e como solucioná-lo: tratava-se de insegurança. Então, eles decidiram que, quando as crianças fossem dormir, receberiam uma fatia de pão para segurarem. Aquele pedaço de pão não era para ser comido; deviam apenas segurá-lo. Se demonstrassem desejo de comê-lo, deveriam ganhar outra fatia de pão, mas aquela eles não poderiam comer.
O pedaço de pão produziu resultados miraculosos. As crianças dormiam com a certeza subconsciente de que teriam algo para comer no dia seguinte.
Isto lhes proporcionava um sono tranqüilo e calmo.
No Salmo 23, Davi fala da presença deste sentimento de segurança no coração da ovelha, quando diz: “O Senhor é o meu pastor, nada me faltará.” A ovelha sabe, instintivamente, que o pastor tem reservas para sua alimentação.
Como vemos, este salmo não começa com uma petição, mas sim com uma declaração simples de um fato: “O Senhor é o meu pastor, nada me faltará”. Não precisamos suplicar bênçãos a Deus, Ele tem as provisões necessárias para atender às nossas necessidades, provisões estas preparadas antes mesmo que tivéssemos necessidade delas. Antes que começássemos a sentir frio, Deus já havia estocado no subsolo o petróleo, o carvão, e o gás para que pudéssemos nos aquecer. Ele sabia que iríamos sentir fome, e por isso, antes de criar o homem, Deus tornou fértil a terra e colocou a vida dentro de cada semente. “Deus, o vosso Pai, sabe o de que tendes necessidade, antes que lho peçais”, disse Jesus. (Ver Mateus 6:8).
Toda espécie de vida vem de Deus. Isto inclui a minha vida e a sua também. Deus cuida das aves do céu e da erva do campo. E Jesus nos pede para notarmos que se Deus faz tanto por um simples pássaro e por uma flor silvestre, quanto não fará por nós? (Mt. 6:25,34)
O apóstolo Paulo disse o seguinte: “E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir em Cristo Jesus cada uma de vossas necessidades” (Fp. 4:19). Davi expressa a mesma idéia aqui neste verso: “O Senhor é o meu pastor, nada me faltará.” Nesta crença, podemos trabalhar e viver hoje sem nos preocuparmos com o amanhã.
(Charles L Allen, em “A PSIQUIATRIA DE DEUS”)

sábado, 21 de janeiro de 2012


FÉ, PACIÊNCIA E LEALDADE RESULTAM EM VITÓRIA !
“Então, Moisés, naquele dia, jurou, dizendo: Certamente, a terra em que puseste o pé será tua, e de teus filhos em herança perpetuamente, pois perseveraste em seguir o Senhor, meu Deus.” (Js 14.9.)
Calebe foi um dos príncipes de Israel enviados a espiar a terra prometida. Dos doze escolhidos, apenas Josué e Calebe tiveram fé paracontemplar a “terra” com os olhos de Deus. E trouxeram o seu relatório.
A terra era boa e realmente manava leite e mel. A prova era os cachos de uvas do vale de Escol, que precisaram ser trazidos em uma vara conduzida nos ombros por dois homens. Mas os outros dez espias olharam apenas para as dificuldades: os gigantes, as muralhas e os carros de ferro dos exércitos dos amorreus. Esqueciam-se de Quem os enviava para lá – o Deus de Abraão – e que estava com eles. Não havia o que temer.
Mas, por causa da incredulidade, tiveram de peregrinar no deserto por 40 anos, antes da conquista. E toda aquela geração morreu no caminho da terra prometida. Restaram apenas os dois “gigantes da fé”: Josué e Calebe.
Calebe – Esse homem de Deus era perseverante e fiel, leal ao seu Deus. Ele sabia olhar na direção da bênção, da vontade de Deus e romper todas as barreiras para alcançá-la. Aos 45 anos, Calebe recebera a promessa de que a terra dos gigantes, a cidade de Hebrom seria dele; e estava pronto para conquistá-la. Apesar dos 40 anos de peregrinação e de ter já a idade de 85 anos quando entrou em Canaã, Calebe sentia-se forte e animado. E derrotou os gigantes, conquistando Hebrom.
Você tem buscado ser fiel a Deus? Tem perseguido os sonhos de Deus para o seu viver? Tem tido suficiente paciência para esperar a verdadeira benção chegar?
Ou você tem sido ansioso e sem ponderação durante sua espera? A demora tem sido um gigante que te assombre e você contenta com menos do que Deus tem para sua vida?
Sua resposta determina se você é um herói da fé do calibre de Calebe ou não. Sua resposta vai dizer se você usufruirá do melhor de Deus ou não.
(Portal Lagoinha)

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

O ESPÍRITO DA VERDADE

“E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre; O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós. “ (Jo 14:16-17)
O Espírito Santo é um elemento absolutamente vital para nossa atual situação. É claro que ele é sempre vital, mas talvez de maneira ainda mais especial hoje em dia. afinal de contas, se o Espírito Santo age, nada pode impedi-lo. Se Ele não age, não conseguiremos produzir frutos genuínos, não importa quanto esforço façamos. Não temos condições de ser tudo o que fomos criados para ser sem a obra e a presença do Espírito de Deus.
Se empreendermos uma jornada honesta e sincera em busca de uma real intimidade com o Espírito Santo,  poderemos ir além de nossa atual compreensão Dele; daremos início a uma comunhão mais aberta, vivendo com Ele uma experiência a cada dia, ou mesmo a cada momento;  entraremos em sintonia com Ele muito mais em função das coisas que está fazendo agora do que das que Ele fez há meses ou anos.
Sejamos lembrados da força e da sabedoria que o Espírito Santo nos disponibiliza e oremos diligentemente por mais. À  medida que confiamos nas promessas do Espírito, distanciamo-nos do desânimo e passamos a viver uma vida caracterizada pela confiança, pela manifestação do poder de Deus em meio às nossas fraquezas e pelo fruto do Espírito.
Minha oração é no sentido de que sua vida, uma vez transformada, produza esse tipo de espanto: “vendo a coragem de pedro e de João, e percebendo que eram homens comuns e sem instrução, ficaram admirados e reconheceram que eles haviam  estado com Jesus” (at 4:13).
Não importa qual seja a sua tradição religiosa, você provavelmente carrega e preserva alguns estereótipos quando se trata do Espírito Santo. Será necessário deixar de lado essa bagagem e esses estereótipos para que possa abrir o coração às coisas que Deus deseja ensinar a você. Está disposto a fazer isso?
(Francis Chan, em “O DEUS ESQUECIDO”)

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

PACIFICADORES

Há uma velha canção que eu ouvia na escola dominincal que periodicamente volta à minha mente. Suas palavras testemunham a bênção da paz que Jesus dá tão generosamente: “Eu tenho a paz que excede a compreensão do meu coração!”
A paz de Deus é verdadeiramente um dom que desfrutamos em nossos corações como comunhão em Sua presença ( João 14:27 ; 16:33 ). Ele pretende nos manter todos em paz mutuamente. A paz é um dom a ser compartilhado com aqueles que nos rodeiam. Como cristãos, a paz deve marcar as nossas relações e caracterizar o ambiente do nosso trabalho, de nossas igrejas, e nossos lares.
Em Seu Sermão da Montanha, Jesus disse: “Bem-aventurados os pacificadores” ( Mat 5:9 ), o que indica que temos a responsabilidade de  trazer a paz para nossos relacionamentos. Uma vez que estamos propensos a ser causadores de problemas em vez de pacificadores, este é um conselho importante. Pacificadores são aqueles que viram a outra face (v.39), são os que andam milha extra (v.41), e amam os seus inimigos enquanto oram por aqueles que os perseguem (V.44).
Por que deveríamos fazer isso? Porque Deus é um pacificador, e quando fazemos as pazes somos “chamados filhos de Deus” (v.9). Pacificação é uma característica cristã.
(Portal Nosso Pão Diário)

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

FÉ, PACIÊNCIA E LEALDADE RESULTAM EM VITÓRIA!
“A voz de Deus troveja maravilhosamente; Ele faz coisas
grandiosas, acima do nosso entendimento.” Jó 37:5
Como é que Deus nos ajuda saber a vontade dele? Deus nos deu as Escrituras e o Espírito Santo para nos ajudar a entender sua vontade. Existem outras formas mais sutis, menos definidas, para entender a vontade de Deus?
A maioria de nós tem uma “coleção de coincidências divinas” (vários eventos que acontecem em proximidade à oração): um amigo liga/escreve na hora certa; lemos um artigo ou ouvimos um sermão direcionado exatamente na área de nossa preocupação ou confusão; vários cânticos no louvor nos convencem na área sobre a qual estamos buscando a direção do Senhor; ou simplesmente sentimos na nossa consciência uma direção que nos ajuda a discernir o certo do errado numa situação difícil.
A verdade é que Deus fala sério quando diz que se pedirmos sabedoria sem duvidar, Ele dará, e que se estivermos buscando-O verdadeiramente, O acharemos. Sua voz ainda troveja de formas maravilhosas.
(Portal Iluminalma)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

ADMINISTRADORES

Administração é a principal chave de Deus. O primeiro princípio que Deus deu a Adão foi a administração. O principal mandato dado à humanidade é domínio sobre os recursos da terra, não sobre pessoas. Deus disse: “… enchei a terra, e sujeitai-a; e dominai sobre os peixes do mar e sobre as aves dos céus, e sobre todo o animal que se move sobre a terra” (Gênesis 1:28). A palavra “domínio” é a responsabilidade de administrar os recursos da terra. Dominar é o que Deus nos criou para fazer. A função divina de Deus para todos nós é estender
Sua cultura para a terra, a qual é uma cultura de abundância, mas devemos fazê-lo através de administração. Administração dos recursos da terra foi o primeiro mandamento à humanidade através de Adão e Eva.
Seja o que for que você falhar em administrar, você perderá. Se você falhar em administrar seu corpo, perderá sua saúde. Se você falhar em administrar seu casamento, perderá seu cônjuge. Se você falhar em administrar seu dinheiro, perderá todo seu dinheiro. Deus não permite nenhum crescimento até que Ele veja administração.
A medida primária da confiança de Deus em você é a administração. Você precisa valorizar e cuidar bem de tudo que Deus coloca em suas mãos. Ele apenas confiará a você o que você pode administrar. Se Ele vê administradores administrando efetivamente, Ele dará a eles mais recursos. Administração atrai recursos.
Ore por seus sonhos, ore por suas necessidades, mas não esqueça de agradecer tudo que tem e, principalmente, cuide bem das bençãos que Ele tem provido vocẽ.
(Myles Munroe, em “COMPREENDENDO O REINO DE DEUS”)

domingo, 15 de janeiro de 2012

ESPERE GRANDES COISAS DE DEUS

Jesus ensina que, para podermos orar com poder, temos que colocar Deus em nosso pensamento e reconhecer sua soberania. Devemos dizer: “Seja feita a tua vontade”. É aqui que muitas pessoas tropeçam, perdem o alento e se afastam de Deus. Eu creio saber a causa disso.
Quando estudava psicologia na faculdade, formulei um teste de associação de idéias. Diria a palavra “Natal”, por exemplo, a uma pessoa e pediria a ela que dissesse a primeira coisa que lhe viesse a mente. As respostas que eu recebia eram quase sempre: Papai Noel, presentes, enfeites, etc. Raramente alguém dizia: Cristo. Cheguei à conclusão de que nós temos comercializado e paganizado o dia do aniversário do Senhor. Penso que. resguardados certos limites, este teste e bastante válido.
Vamos fazer uma prova agora mesmo. Eu mencionarei uma palavra. e o leitor verificará qual é o seu primeiro pensamento —  “vontade de Deus”.
Que é que isto lhe sugere? A morte de um ente querido ou um grande revés, uma enfermidade incurável ou um grande sacrifício? A maioria das pessoas quando pensa em “vontade de Deus” forma um quadro mental sombrio.
Talvez uma das razões disto seja a oração de Jesus no Getsêmani. “Não se faca a minha vontade, e sim, a tua”. (Lc 22:42). E em conseqüência de sua submissão, Ele se encaminhou para o calvário. E é assim que a “vontade de Deus” e “cruz” acabam-se tornando idéias sinônimas.
Parece-me que a crença geral é que a intenção de Deus é tornar nossa vida desagradável, como quando temos que ingerir remédios amargos. Pensamos que seriamos mais felizes se não nos submetêssemos à vontade de Deus. Na realidade, nunca chegamos a dizer: “eu me recuso a acatar a vontade de Deus”. No entanto, afirmamos: “Desta vez, vou fazer o que quero”.
É preciso que nos lembremos de que o amanhecer também é vontade de Deus.
Há um tempo de colheita que resulta em alimentos e vestuário para nós, e sem o qual não haveria vida sobre a terra Deus criou as estações do ano; portanto, o fato de  elas existirem também é parte da vontade de Deus. A verdade é que as coisas boas da vida superam em muito as más. Há mais alvoradas que ciclones.
Na verdade, as geadas invernais são da vontade de Deus, mas as diversas formas de aquecimento também foi Deus quem providenciou para nós. A maneira como encaramos a vontade de Deus é que mostrará se nós a aceitamos de bom grado ou nos esquivamos dela.
Jesus disse: “Seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu”. em que é que pensamos quando a palavra céu nos vem a mente? Pensamos em paz, plenitude, perfeita alegria e a ausência de dores, sofrimentos e lágrimas. Jesus disse que isto é a vontade de Deus para nós. Antes que possamos dizer: “Seja feita a tua vontade…” temos que crer que ela é a melhor coisa para nós. Muitas vezes nós nos preocupamos com as situações imediatas enquanto Deus vê nossa vida como um todo.
Em 1972, Willian Carey entregou um sermão baseado no texto: “Alarga o espaço da tua tenda; estenda-se o toldo da tua habitação, não o impeças; alonga as tuas cordas e firma bem as tuas estacas”. (Is. 54.2). Foi uma das mensagens mais eloqüentes que alguém já pregou, pois dela resultou a criação da Sociedade Batista Missionária, cuja história não caberia em cem livros. Naquele sermão, Carey disse sua famosa frase: “Espere grandes coisas de Deus; realize grandes coisas para Deus”.
(Charles L Allen, em “A PSIQUIATRIA DE DEUS”)

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

BENÇÃOS MULTIPLICADAS


“Eu lhes digo a verdade: Quem lhes der um copo de água em meu
nome, por vocês pertencerem a Cristo, de modo nenhum perderá a sua
recompensa.”( Marcos 9:41)
Esta passagem simples e clara tem dois significados: Primeiro, somos abençoados quando abençoamos os filhos de Deus, mesmo se a bênção é simples. Segundo, podemos regozijar quando outros fazem as coisas mais simples para nos abençoar no nome de Jesus, porque recebemos a bondade e graça de outros e porque Deus abençoa essa bondade com a sua graça sobremaneira abundante.
Vamos viver para abençoar as pessoas! Quando fazemos isso, Deus é glorificado. Nós somos abençoados. Abençoamos outros. Além disso, quando outros estendem a graça a nós, Deus prometeu abençoá-los também. Deus derrama suas bênçãos sobre cada um de nós.
Na economia miraculosa de Deus, quanto mais abençoamos os outros, mais bênçãos há para todo mundo!
(Portal Iluminalma)

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

AMADURECIMENTO – UM BEM MAIOR

“Tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus” .(Rm 8:28)
Essa promessa é condicional. Quem não ama a Deus e, portanto, não está interessado em conhece-Lo, nem em crescer espiritualmente, não deve esperar que todas as coisas cooperem para seu bem, porque às vezes esse “bem” é a aprendizagem de uma lição, ou um aprofundamento de caráter que ocorrem como resultado do sofrimento. Do ponto de vista de Deus se, passando por determinada situação, aprendemos a ser pacientes, houve um “bem”. Se aprendemos a amar pessoas desagradáveis, houve um bem. Deus valoriza muito mais o caráter que riquezas, preeminência, saúde e tantas outras coisas que consideramos valiosas.
O “bem” que fala Romanos 8:28 não é, necessariamente, aquela história do homem que perdeu o emprego e, no fim, arranja um melhor. Pode ser o homem que perdeu o emprego e aprendeu profundamente o que significa viver pela fé dia a dia. O ‘bem” de Romanos 8:28 não é necessariamente aquela história de uma jovem que perdeu o noivo, mas encontrou outro melhor ainda. Pelo contrário, pode ser a de uma mulher que, antes de encontrar o parceiro ideal, teve que aprender a ter calma, perseverança e confiança em Deus.
A felicidade, como Deus a definiria, “é um estado de bem-estar sentido bem no fundo do coração”. Seu contexto é muito mais amplo do que meras circunstâncias. Seu efeito sobre as emoções vai muito além de uma empolgação momentânea. E não é mediante a aquisição de mais bens que a obteremos. Tampouco ela é a modificação de situações negativas. A felicidade que Deus almeja para Seus filhos se obtém mediante o processo de amadurecimento espiritual. Fora disso, não existe felicidade permanente.
O crescimento espiritual é imperativo. Este é, pois, o meio pelo qual Deus nos mantém atentos aos Seus propósitos para nossa vida. Quando permitimos que Deus ordene nossas prioridades, a adversidade assume um significado bem diferente. Vemo-la como parte da operação do Senhor em nossa vida. Começamos a entender que, às vezes, ela é o meio por que obtemos maior gozo e paz. Não entramos em pânico, conseguimos nos regozijar porque estamos certos que o Pai começou um processo pelo qual vai trazer novo bem à nossa vida.
(Charles Stanley, em “COMO LIDAR COM O SOFRIMENTO”)

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

 COMPARTILHANDO A DOR


“Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?”  —1 Coríntios 15:55
Durante boa parte da minha vida, compartilhei a perspectiva daqueles que posicionam-se contra Deus por Ele permitir a dor. Eu não conseguia, de forma alguma, racionalizar um mundo tóxico como o deles.
Ao visitar pessoas cuja dor excedia grandemente a minha, surpreendi-me com os seus efeitos. O sofrimento parecia ter tanta probabilidade de reforçar a fé quanto de semear a dúvida.
Minha raiva sobre a dor se desfez, principalmente, por uma razão: vim a conhecer Deus. Ele me deu alegria, amor, felicidade e bondade. Ele me deixa com fé em uma Pessoa, uma fé tão sólida que nenhuma quantidade de sofrimento pode erodir.
Onde está Deus quando sentimos dor? Ele está desde o princípio. Ele concebeu um sistema de dor que, em meio a um mundo caído, contém a Sua marca. Ele transforma a dor, usando-a para nos ensinar e fortalecer se permitirmos que ela nos leve em Sua direção.
Ele sentiu dor, sangrou, chorou e sofreu. Ele dignificou para sempre aqueles que sofrem, compartilhando a dor deles. Mas, um dia, Ele reunirá os exércitos do céu e os soltará contra os inimigos de Deus. O mundo verá um último aterrorizante momento de sofrimento antes da vitória total. Em seguida, Deus criará para nós um mundo novo e incrível: “E Deus limpará de seus olhos toda a lágrima; e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.” Apocalipse 21:4
(Philip Yancey, em “ALMA SOBREVIVENTE”)

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

 VOCÊ REALMENTE ENTENDE A GRAÇA DE DEUS?

Nossa cultura tornou a palavra graça impossível de compreender. Repercutimos frases de efeito como:
“Nesta vida nada é de graça”.
“Cada um acaba ganhando o que merece”.
“Quer dinheiro? Vá trabalhar”.
“Quer amor? Faça por merecer”.
“Quer misericórdia? Mostre que é digno dela”.
“Faça aos outros antes que lhe façam”.
À medida que ouço sermões e ditados com ênfase definida no esforço pessoal — toma lá, dá cá — fico com a impressão que uma espiritualidade “faça-você-mesmo” é a nova onda do mundo moderno.
Embora as Escrituras insistam que é de Deus a iniciativa na obra da salvação — que pela graça somos salvos, que é o Formidável Amante quem toma a iniciativa — freqüentemente nossa espiritualidade começa no eu, não em Deus. A responsabilidade pessoal ubstituiu a resposta pessoal. Falamos sobre adquirir a virtude como se ela fosse uma habilidade que pudesse ser desenvolvida, como uma bela caligrafia ou um bom gingado numa tacada de golfe.
Embora algum elogio nominal seja dirigido ao evangelho da graça, muitos vivem como se fossem apenas a sua disciplina pessoal e sua autonegação que deverão moldar o perfeito eu. A ênfase é no que eu estou fazendo em vez de no que Deus está fazendo. Nesse processo curioso, Deus é um espectador velhinho e benigno que está ali para torcer quando compareço para minha meditação matinal. Nossos olhos não estão fitos em Deus. Cremos que somos capazes de nos erguermos do chão puxando nossos próprios cadarços — que somos, de fato, capazes de fazê-lo sozinhos.
Mais cedo ou mais tarde somos confrontados com a dolorosa verdade da nossa inadequação e da nossa insuficiência. Nossa segurança é esmagada e nossos cadarços, cortados. Uma vez que o fervor passa, a fraqueza e a infidelidade aparecem. Descobrimos nossa incapacidade de acrescentar uma polegada que seja a nossa estatura espiritual.
Nosso afã de impressionar a Deus, nossa luta pelos méritos de estrelas douradas, nossa afobação por tentar consertar a nós mesmos ao mesmo tempo em que escondemos nossa mesquinharia e chafurdamos na culpa são repugnantes para Deus e uma negação aberta do evangelho da graça.
Fyodor Dostoievski capturou o choque e o escândalo do evangelho da graça quando escreveu: “No último julgamento Cristo nos dirá: `Vinde, vós também! Vinde, bêbados! Vinde, vacilantes! Vinde, filhos do opróbrio!’ E dir-nos-á: “Seres vis, vinde porém da mesma forma, vós também!’ E os sábios e prudentes dirão: `Senhor, por que os acolhes?’ E ele dirá: `Se os acolho, homens sábios, se os acolho, homens prudentes, é porque nenhum deles foi jamais julgado digno’. E ele estenderá os seus braços, e cairemos a seus pés, e choraremos e soluçaremos, e então compreenderemos tudo, compreenderemos o evangelho da graça! Senhor, venha o teu reino!”.
Justificação pela graça mediante a fé” é a frase erudita dos teólogos para o que Chesterton chamou certa vez de “amor selvagem de Deus”. Ele não é instável, nem caprichoso. Deus tem um único posicionamento inflexível com relação a nós: Ele  nos ama. Ele é o único Deus jamais conhecido pelo homem que ama os pecadores. Falsos deuses — criados pelos homens — desprezam os pecadores, mas o Pai de Jesus ama a todos, não importa o que façam. Seitas e pseudo-religiões não conseguem conceber o sentido da graça. Para os que crêem na reencarnção da alma humana, por exemplo, o significado da morte de Cristo e, consequentemente, a graça do Pai, são questões  completamente inconciliáveis com suas doutrinas. Eu os pergunto: Para que reencarnações e carmas  se Jesus pagou TODOS oa nossos pecados na cruz?  A graça é um absurdo para eles!
Falsos deuses. aqueles criados pelos homens, desprezam os pecadores, mas o Pai de Jesus ama a todos, não importa o que façam, basta o arrependimento.
(Brennan Manning, em “O EVANGELHO MALTRAPILHO”)

domingo, 8 de janeiro de 2012


 PRECISAMOS DE PROFUNDIDADE

Coisas profundas são intrigantes. Selvas profundas. Águas profundas. Cavernas profundas, desfiladeiros profundos. Pensamentos profundos econversas profundas. Não há nada como a profundidade para nos tornar insatisfeitos com as coisas superficiais, rasas. Uma vez que tenhamos cavado abaixo da superfície, e experimentado as maravilhas e os mistérios que há na profundidade, percebemos o valor de investirmos o tempo necessário e enfrentarmos todo obstáculo para alcançarmos essas profundezas.
Isso é particularmente verdadeiro no reino espiritual. Deus nos convida a irmos mais a fundo, e não ficarmos satisfeitos com os aspectos superficiais. Lemos nas Escrituras que o Espírito de Deus “a todas as cousas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus” (1 Co 2:10). A profundidade de Sua sabedoria e de Seus caminhos é definida como “insondável” e “inescrutável”, de acordo com Romanos 11:33. ”Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!“
Próximo ao fim de suas tribulações, Jó refere-se aos propósitos profundos,misteriosos e inexplicáveis do Senhor como sendo “cousas maravilhosas demais para mim, cousas que eu não conhecia” (Jó 42:3). O profeta Daniel afirmou que Deus “revela o profundo e o escondido” e que “conhece o que está em trevas”(Dn 2:22).
Certamente nosso Senhor opera em domínios muito além da nossa capacidade de compreender, mas Ele espera que nós exploremos e experimentemos aquilo que está além do que é óbvio. Algumas das melhores verdades de Deus, como tesouros inestimáveis, acham-se escondidas em profundidades tais, que muitas pessoas nunca dão o tempo necessário para procurá-las e encontrá-las. Que perda para nós! Com paciência e graciosamente Ele está à espera para revelar as percepções e as dimensões da verdade àqueles que se dispõem ao menos a sondar, a examinar, a meditar.
Mesmo sendo tão importantes e intrigantes como as coisas profundas de Deus devem ser, elas resistem totalmente a qualquer tentativa de ser descobertas pelos meios naturais de nossas mentes. Ele reserva essas coisas para aqueles cujos corações são totalmente Dele… para aqueles que reservam tempo suficiente para buscar Sua face. Somente desse modo pode haver intimidadecom o Todo-Poderoso.
Provavelmente, você em sua vida já está farto de coisas superficiais…você está cansado de conversa mole e de pensamentos não profundos. Você sabe que tem que haver mais; somente não sabe como chegar lá. Uma coisa é certa: você não quer permanecer onde e como você está. E eu lhe dou parabéns. Ninguém está apto a ir às profundezas a menos que esteja saturado com o superficial. O que você almeja, pelo que sei, é intimidade com o Todo-Poderoso.
Haverá neste mundo algo mais importante para um filho de Deus? Acho que não. Contudo, estranhamente, bem poucos procuram alcançar esta tão importante prioridade. Uma mudança é necessária! Como o grande apóstolo Paulo, façamos deste onosso “propósito bem determinado”. Nos esforcemos para deliberadamente abraçar este alvo: “conhecer a Cristo com maior profundidade e intimidade”. Não é conhecer teologia dessa forma, por mais importante que ela possa ser. Não é conhecer a igreja com profundidade e intimidade, por mais valorosa que ela seja. Não, não é nada disso que temos que conhecer com maior profundidade! Devemos conhecer… a Cristo. A Cristo e somente a Ele! De agora emdiante, que o nosso alvo na vida seja conhecer a Cristo com maior profundidade e intimidade. Creio que era precisamente isto que Jesus tinha em mente quando ordenou: “Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça…” (Mt 6:33)
(Charles Swindoll, em “INTIMIDADE COM O TODO-PODEROSO”)

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

 REAJA IMEDIATAMENTE

Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar” (1 Co 10.13).
Como discípulos de Jesus, é importante que aprendamos a assumir uma posição interior oposta às dificuldades logo que elas aparecerem, e não deixemos que elas tomem conta de nós. Como podemos fazer isso? Levantando bem alto o escudo da fé! Quero acentuar que isso deve ser feito “imediatamente”. Em outras palavras: agradeça logo ao Senhor por estar absolutamente protegido e seguro nEle. Se Jesus Cristo tornou-se nosso Salvador e Senhor pessoal, então a cada hora, a cada minuto, estamos seguros e protegidos de verdade. Assim, lemos em Colossenses 3.3: “…porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus.” Não restam dúvidas nem incertezas!
Este Deus maravilhoso tem nossos “muros” continuamente diante de Si! Ele sabe das nossas limitações, das nossas mudanças de humor e das nossas falhas! Ele conhece nossas ansiedades e angústias. Ele tem plena consciência dos nossos mais acalentados sonhos. E através de Sua Palavra Ele nos anima, dizendo: “Eu fiz tudo por você porque o amo. Confie em mim! Não fique olhando apavorado ao seu redor – levante seus olhos para mim! Eu sou o Autor e o Consumador de sua fé!”
Segure as mãos traspassadas de Jesus: numa decisão cheia de fé e confiança, lance todas as suas angústias sobre Ele, que se preocupa com você e cuida de você: “lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós” (1 Pe 5.7)!
(Portal A Paz)