quarta-feira, 26 de setembro de 2012

DEUS QUE ENCORAJA

Não se pede de nós que gostemos do sofrimento, mas que não nos deixemos vencer por ele, porque nosso DEUS o venceu. Nunca nos foi prometida uma luta fácil, mas nos foi oferecida a certeza da vitória.
É impressionante a quantidade de vezes que os evangelhos relatam JESUS se afastando para orar. Mais interessante  ainda é o fato de que os evangelhos não nos dizem quais eram essas orações. A única oração que JESUS ensinou, conhecida como Pai nosso, é, na essência, um resumo da teologia que ensinava. Mas o conteúdo de outras inúmeras orações nâo nos foi transmitido.
De uma coisa estou certo, JESUS precisava desses momentos a sós com o PAI. Penso que as orações de JESUS não eram compostas principalmente de palavras, mas sim do desejo de ter SEU coração alinhado com a vontade do PAI. Parece-me que, quanto mais próximo chegava da cruz, mais intensos e prolongados eram esses momentos.
Mesmo JESUS, DEUS feito homem, sentia necessidade de se certificar sobre a missão que tinha para cumprir, buscando no PAI a força e a motivação correta para continuar.
O autor de Hebreus afirma que JESUS “pela alegria que lhe fora proposta, suportou a cruz, desprezando a vergonha” Hb 12:2. Disse isso para encorajar seus leitores a lutarem contra todo desânimo e cansaço, assim como fez nosso MESTRE.
(Marson Guedes em “O CAMINHO DE JEREMIAS”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário