domingo, 9 de setembro de 2012

SERÁ FEITO SEGUNDO A NOSSA FÉ




“A terra que eu dou aos filhos de Israel.” (Js 1.2.)
Deus fala aqui no tempo presente. Não se trata de algo que Ele irá fazer, mas que está fazendo neste momento. É assim que fala a fé. É assim que Deus dá. É assim que Ele está vindo ao nosso encontro hoje, no momento presente.
Este é o teste da fé. Enquanto esperamos alguma coisa com incerteza, procurando por ela, não estamos crendo. Pode ser esperança, pode ser um desejo ardente, mas não é fé; pois “fé é a certeza de cousas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem”.
O mandamento com respeito à oração da fé está no imperativo presente: “Tudo o que pedirdes em oração, crede que o tendes recebido, e tê-lo-eis”. Já chegamos a este ponto? Será que já nos encontramos com Deus no Seu eterno AGORA? A verdadeira fé apoia-se em Deus, e crê antes de ver. Normalmente, antes de crer queremos alguma evidência de que a nossa petição foi concedida; mas quando andamos por fé, não precisamos de outra evidência além da Palavra de Deus. Ele falou: e segundo a nossa fé nos será feito. Nós veremos, porque cremos, e esta fé nos sustenta nas horas mais difíceis, quando tudo à nossa volta parece contradizer a Palavra de Deus.
O salmista diz: “Pereceria sem dúvida, se não cresse que veria os bens do Senhor na terra dos viventes” (Sl 27.13). Ele ainda não via a resposta do Senhor a suas orações, mas creu que veria; e isto guardou-o de desfalecer. Se tivermos a fé que crê que verá, ela nos guardará de cairmos em desânimo. Nós nos riremos do impossível; quando nenhum dos recursos humanos puder solucionar a nossa dificuldade, esperaremos com prazer, para ver como Deus irá abrir um caminho em nosso mar Vermelho. É exatamente nessas ocasiões de dura prova que a nossa fé cresce e se fortifica. Irmão afligido, você já esperou no Senhor por muitas noites e longos dias, e está com medo de que Ele o tenha esquecido? Não o esqueceu! levante a cabeça e comece a louvá-lO agora mesmo, pela libertação que está a caminho.
(Lettie B. Cowman, em “MANANCIAIS NO DESERTO”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário