quinta-feira, 24 de maio de 2012

O SUPRIDOR

“Meu Deus suprirá todas as vossas necessidades segundo as suas riquezas na glória em Cristo Jesus.” Filipenses 4:19
O Deus da Bíblia é um Deus pessoal, embora não privatizável. Paulo fala a partir de sua experiência pessoal, de quem teve suas necessidades supridas por este Deus. Paulo não está só: a expressão aparece 136 vezes na Bíblia. É assim que devemos pensar em Deus: meu Deus, meu Senhor, meu Pai. Um Deus pessoal quer dizer um Deus que se relaciona. Podemos falar com Ele. Podemos ouvi-lO falar conosco.
Podemos crer num Deus inefável, ou num Deus afável. Podemos crer num Deus distante, ou num Deus próximo. O Deus inefável e distante não pode fazer nada por nós. O Deus afável e próximo é o Deus que, de fato, existe, como revelado por Jesus Cristo. Há um único Deus, mas Ele se relaciona conosco individualmente, o que quer dizer que se revela a nós como nós somos, no lugar onde estamos, no modo como nos sentimos. Só precisamos estar atentos.
Deus é ativo. Onde há uma necessidade, Ele entra em ação. Ele tira dos seus depósitos os dons que reparte. E seus depósitos são inesgotáveis.
É com o verbo “suprir” que Ele sustenta o universo. É com este verbo que Ele supre a cada um de nós. Suprir é encher de novo; é acrescentar o que falta. Deus faz mesmo isto conosco.
Quando o povo de Israel peregrinava pelo deserto, para suprir suas necessidades de água, Deus fez ela brotasse e jorrasse em torrentes de uma rocha. Mesmo assim, pouco depois o povo perguntou: nosso Deus “conseguirá também dar-nos de comer? Poderá suprir de carne o seu povo?” (Salmo 78.20).
Que não tenhamos a mesma atitude dos hebreus antigos. Precisamos saber que “Aquele que supre a semente ao que semeia e o pão ao que come também lhes suprirá e multiplicará a semente e fará crescer os frutos da sua justiça” (2Coríntios 9.10).
(PORTAL PRAZER NA PALAVRA)

Nenhum comentário:

Postar um comentário