quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

88512414
UMA LENTE CHAMADA FÉ
“Mas passados dias, a corrente secou, porque não chovia sobre a terra” 1 Rs 17:7
As semanas iam-se passando, e Elias com espírito alevantado e firme, ia observando aquela torrente diminuir. Muitas vezes, por certo, foi tentado a vacilar por incredulidade, mas recusou-se a deixar que as circunstâncias se interpusessem entre ele e Deus. De fato, a incredulidade vê Deus através das circunstâncias, como nós às vezes vemos o sol despido de seus raios, através do ar esfumaçado; mas a fé põe Deus no meio, entre si e as circunstâncias, e olha para estas através Dele.
Então, a torrente diminuiu até se tornar em um fio prateado; e o fio, em pequenas poças de água acumulada junto às pedras maiores. Depois, as poças também diminuíram. Os pássaros sumiram; os animais selvagens do campo e da floresta não vinham mais beber ali: a torrente estava seca. Só então foi que, ao seu espírito paciente e firme, “veio a palavra do Senhor, dizendo: Dispõe-te, e vai a Sarepta”.
Muitos de nós teríamos ficado preocupados e nos cansaríamos de fazer planos. Teríamos parado de cantar, assim que diminuísse a música da torrente no seu leito; passaríamos a andar pensativos, de um lado para outro, sobre a relva seca. E provavelmente, muito antes de a torrente estar seca, já teríamos elaborado um plano de salvamento, pedido a bênção de Deus sobre ele, e partido para outro lugar.
Às vezes, Deus tem que nos desembaraçar de certas situações; e Ele o faz, porque a Sua misericórdia dura para sempre; mas se tivéssemos esperado para ver o desenrolar dos Seus planos, não nos teríamos encontrado no meio de tão emaranhado labirinto; e não precisaríamos ter que voltar atrás com lágrimas de vergonha. Espere, espere pacientemente!
(F. B. Meyer, em “JOSUÉ NA TERRA DA PROMESSA”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário