segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

TENTE OUTRA VEZ…COM JESUS

Na maior parte das vezes, Pedro e seus amigos vendiam o peixe pela manhã. Naquela manhã em particular, não havia dinheiro algum. Eles tinham trabalhado a noite inteira, porém não tinham nada para mostrar, exceto costas doloridas e redes rasgadas.
Jesus estava lá naquela manhã, ensinando. Em virtude da pressão das pessoas, não havia muito espaço para Jesus e, assim, Ele perguntou a Pedro se poderia usar seu barco como uma plataforma. Pedro concordou, talvez achando que o barco pudesse servir para alguma coisa útil.
Pedro ouviu o Mestre ensinando. Quando Jesus termina de falar com a multidão, Ele se volta para Pedro. Jesus tinha outro pedido. Ele queria pescar. “Faze-te ao mar alto e lançai as vossas redes para pescar” Lc 5:4.
Pedro resmunga. A última coisa que ele queria era pescar. O barco estava limpo. As redes já estavam secas. O sol está alto e ele, cansado. É hora de ir para casa. Como se não bastasse, o que Jesus sabia sobre pescaria?
Então, Pedro diz; “Mestre, esforçamos-nos a noite inteira e não pescamos nada” Lc 5:5
Note o aborrecimento presente nestas palavras.
Redes jogadas na direção do céu para que se abrissem e caíssem na água. Então, vinha a espera. Deixe que as redes afundem. Puxe-as de volta. Faça isso outra vez. Jogue. Puxe. Jogue. Puxe. Jogue. Puxe. A cada lançamento, uma oração. Mas, cada puxão de rede vazia significava uma falta de resposta. Até a rede suspirava quando os homens a puxavam para jogá-la outra vez.
Eles pescaram por 12 horas e agora…agora Jesus está querendo que eles pesquem um pouco mais? E ainda no alto-mar, em vez de nas águas rasas?
Pedro e seus amigos deram de ombros. Ele olha para as pessoas na praia todas olhando para ele. Não sabe o que fazer. Jesus pode saber muito sobre muita coisa, porém, Pedro sabe bastante sobre pescaria. Sabe quando é hora de trabalhar e quando é hora de parar.
O senso comum dizia que era hora de sair. A lógica dizia para assumir o prejuízo e ir para casa. A experiência dizia para arrumar as coisas e descansar um pouco. Mas, Jesus diz: “Se você quiser, podemos tentar mais uma vez”.
A jornada mais difícil é aquela que fazemos de volta ao lugar onde fracassamos.
Jesus sabe disso. E é por isso que se dispõe a ir com eles. Mesmo relutando um pouco, Pedro concorda em tentar mais uma vez. “Mas, porque és Tu quem está dizendo, vou lançar as redes” Lc 5:5. Não fazia sentido algum, mas Pedro já havia passado tempo suficiente ao lado do Nazareno para saber que sua presença fazia diferença. Assim os remos entram na água mais uma vez.
Pedro observa as redes afundando na água e espera. Espera até que a rede se estique o tanto que a corda permite. Os pescadores estão calados. Pedro está quieto. Jesus está quieto. De repente, a corda puxa. A rede, pesada em função de tantos peixes, quase puxa Pedro para fora do barco.
O barco está tão cheio de peixes que a vigia numa das bordas fica muito perto da superfície da água. Com os pés enfiados numa massa prateada que não pára de pular, Pedro olha para Jesus a fim de descobrir se o Mestre está olhando para ele.
É nesse momento que ele percebe quem Jesus é.
Que lugar estranho para se encontrar com Deus – num barco de pesca, num pequeno mar, num país distante! Mas esta é a prática do Deus que vem até nosso encontro. Este é o encontro experimentado por aqueles que estão dispostos a tentar outra vez…com ELE.
(Max Lucado, em “ELE AINDA REMOVE PEDRAS”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário