segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Por que não invocar o Seu nome? Por que correr para esta e aquela pessoa, quando Deus está tão perto e ouvirá o meu fraco chamado? Por que sentar e inventar planos e traçar esquemas? Por que não ir imediatamente ao Senhor e lançar-me sobre Ele o meu fardo?
Aquele que prossegue em frente sem se distrair é o melhor corredor — por que não corrermos de uma vez para o Deus vivo? Em vão buscarei livramento em qualquer outra parte. Mas em Deus o acharei; pois ali tenho a Sua promessa, que é garantida. Não preciso perguntar se posso ou não invocá-lO, pois a expressão “todo aquele” inclui a mim também. Ela se refere a qualquer pessoa que invocar a Deus.
Seguirei, portanto, a direção do texto e imediatamente invocarei ao Senhor que fez a promessa. O meu problema é urgente e não vejo como posso obter livramento; mas isto não compete a mim. Aquele que fez a promessa achará caminhos e maneiras de cumpri-la. Minha parte é obedecer ao Seu mandamento; não me cabe dirigir Seus conselhos. Eu sou Seu servo, não Seu inquiridor. Eu O invocarei, e Ele me salvará.
(C. H. Spurgeon, em “DEUS NÃO MUDA”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário