segunda-feira, 15 de novembro de 2010

RESPOSTAS DEMORADAS
Por que Deus quis que a oração, e freqüentemente a oração persistente, fosse um requisito para recebermos Seus benefícios? Será que é para que o tornemos mais desejoso de abençoar-nos? Não. Deus almeja dar-nos boas coisas. Mas, Ele deseja algo mais ainda, Ele quer um relacionamento comunicativo e íntimo conosco, pelo qual O amamemos e O procuremos, relacionamento caracterizado por uma dependência visceral e um espírito grato. Ele anseia, ainda, por enriquecer-nos com algo infinitamente melhor, mais valioso, do que simplesmente as dádivas que Lhe pedimos – uma experiência pessoal rica, concernente a Ele mesmo.
Muitos de nós passaríamos de largo por estas bênçãos mais profundas de dependência e comunhão, se o Senhor automaticamente providenciasse a satisfação de todas as nossas necessidades, sem que a pedíssemos ou se pedíssemos apenas uma vez. Deus anteviu isto, e planejou de acordo. Fez da oração não um artigo de luxo, opcional, mas a maneira determinada, e prescrita, para que recebêssemos Suas bênçãos. Nossas necessidades e desejos estimulam-nos a nos aproximar Dele, ao invés de negligenciá-Lo. E à medida que vamos orando, e esperando, e continuando a orar, recebemos as respostas eventualmente esperadas e mais, a profunda experiência da presença e da bondade de Deus.
A oração persistente não muda a vontade de Deus; contudo, este tipo de oração é a forma Dele realizar Sua vontade e, especialmente, esta oração nos muda. As respostas demoradas, que exigem persistência, ajudam-nos a crescer. Aumentam nossa fé em Deus. Desenvolvem nossa perseverança e nosso caráter, e ajudam-nos a vencer a impaciência. A pessoa pode pecar – não pelo que faz, mas por recusar-se a esperar. Desejar uma coisa boa, é virtude. Desejá-la já, pode ser pecado. A impaciência indica falta de confiança na perfeição da vontade e dos métodos de Deus.
(Warren Myres, em “O SEGREDO DA ORAÇÃO”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário