sexta-feira, 8 de abril de 2011

POR QUE ORAR?

Voltemos à visão bíblica da história e veremos um retrato de Deus como um Ser pessoal que ouve com atenção as orações e depois as atende. Jesus adequou-se a esse retrato.
Alguns vêem a onisciência de Deus como um desestímulo à oração, por que orar se Deus já sabe? Jesus, em contraste, trata o conhecimento divino não como uma dissuasão, mas como uma motivação positiva para orar. Para obter a atenção de Deus, não precisamos nos expressar com palavras difíceis ou com representações exibicionistas. Não precisamos convencer a Deus. Já temos os ouvidos Dele, por assim dizer.. Deus sabe TUDO a nosso respeito e mesmo assim nos escuta.
Deus atua em resposta às nossas orações. De fato, os grandes acontecimentos do Antigo Testamento – a família de Abraão, a volta por cima de José no Egito, as peregrinações no deserto, as vitórias de Josué e do rei Davi, a libertação do domínio da Assíria e da Babilônia, a reconstrução do templo, a vinda do Messias – só aconteceram depois do clamor do povo de Deus em oração.
Do começo ao fim, a Bíblia descreve Deus como um Ser profundamente afetado pelas pessoas. Deus “se agrada dos que o Temem, dos que colocam sua esperança no Seu amor leal” Sl 147:11. Deus, todavia, como narram os profetas, às vezes também se sente cansado pela desobediência, e Sua “paciência” acaba se esgotando: “Fiquei muito tempo em silêncio, e me contive, calado. Mas agora, como mulher em trabalho de parto, eu grito, gemo e respiro ofegante.” Is 42:14.
O Novo Testamento insiste em que as orações fazem diferença para Deus e para o mundo.
“Peçam, e lhes será dado” Mt 7:7
“A oração feita com fé curará o doente[...] A oração de um justo é poderosa e eficaz” Tg 5:15-16
“…olhos do Senhor estão sobre os justos e os seus ouvidos estão atentos à sua oração.” 1Pe 3:12
“Não têm porque não pedem” Tg 4:2
Enfatizando essas generosas promessas, a Bíblia fala de profetas e apóstolos que oram pedindo cura física e até mesmo a ressurreição dos mortos. Sara, Rebeca, Raquel, Ana e Isabel oraram para livrar-se da infertilidade; Daniel orou numa cova de leões. Quando Deus enviou o profeta Isaias para informar ao rei Ezequias da morte iminente deste, o rei orou pedindo uma sobrevida. Antes de Isaias deixar o recinto, Deus garantiu que concederia a Ezequias mais quinze anos de vida.
Por que orar? Evidentemente Deus gosta que lhe dirijamos pedidos. Por certo, Ele não precisa de nossa sabedoria ou conhecimento, nem mesmo das informações contidas em nossas orações. Mas, convidando-nos a ser parceiros na criação, Deus também nos convida a entrar num relacionamento. Deus é amor. Deus não ama simplesmente, Ele é amor e não pode não amar. Como tal, deseja ardentemente um relacionamento com as criaturas feitas à Sua imagem.
(Philip Yancey, em “ORAÇÃO – ELA FAZ ALGUMA DIFERENÇA?”)

Nenhum comentário:

Postar um comentário